Crenças sobre práticas parentais em crianças em famílias de crianças com atraso no desenvolvimento

Contenido principal del artículo

Wesley Correa
María de Fátima Minetto
Rafaeli Cappellaro-Kobren
Leandro Kruszielski

Resumen

Compreender as crenças sobre as práticas parentais, pode fornecer elementos aos profissionais na atuação junto à criança nos anos iniciais da infância e à sua família, elaborando estratégias efetivas de Intervenção Precoce. O objetivo foi investigar as crenças sobre as práticas parentais em famílias de crianças com atrasos no desenvolvimento. Participaram 36 famílias de 40 crianças que frequentam a Educação Infantil e apresentam diferentes atrasos em seu desenvolvimento, da cidade de Curitiba, Brasil. Foi realizada uma visita domiciliar para cada família, em que os pais responderam a dois questionários. Entre os resultados, verificou-se que quanto maior nível de importância às crenças sobre práticas de Apresentação da criança em público, menor é o grau de escolaridade parental. Conclui-se que as crenças sobre as práticas parentais se diferenciam quando relacionadas a outros fatores, em especial com a escolaridade parental e presença de práticas religiosas, que mostraram elevada importância para esta amostra.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Amato, P. R. (2005). The impact of family formation change on the cognitive, social, and emotional well-being of the next generation. The Future of Children, 15 (2), 75-96. doi: 10.1353/foc.2005.0012

Amparo-Sobrinho, L. (2010). O cuidado a crianças com síndrome de Down sob a perspectiva evolucionista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA.

Bronfenbrenner, U. (2011). Bioecologia do desenvolvimento humano: Tornando os seres humanos mais humanos. (A. Carvalho-Barreto, Trad.). Porto Alegre: Artmed. (Trabalho original publicado em 2005).

Bruscagin, C. (2013). Família e religião. Em: C. M. O. Cerveny (Org.), Família e... Comunicação, divórcio, mudança, resiliência, deficiência, lei, bioética, doença, religião e drogadição (pp. 163- 186). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Dornelas, L. F., Duarte, N. M. C., & Magalhães, L. C. (2015). Atraso do desenvolvimento neuropsicomotor: Mapa conceitual, definições, usos e limitações do termo. Revista Paulista de Pediatria, 33, 88-103. doi: 10.1016/j.rpped.2014.04.009

Franco, V. (2015). Introdução á intervenção precoce no desenvolvimento da criança: Com a família, com a comunidade, em equipe. Évora: Edições Aloendro.

Goodnow, J. (1992). Parents ideas, childrens ideas: Correspondence and divergence. Em I. E. Sigel, A. V. McGillicuddy-DeLisi & J. J. Goodnow (Orgs.), Parental belief systems: The psychological consequences for children (pp. 293-317). Hillsdale: Erlbaum.

Harkness, S., & Super, C. M. (1996). Parents’ cultural belief systems: Their origins, expressions, and consequences. Nova York: Guilford.

Henning-Geronasso, M. C., & Moré, C. L. O. O. (2009). Influência da religiosidade/ espiritualidade no contexto psicoterapêutico. Psicologia: Ciência e Profissão, 35 (3), 711-725. doi: 10.1590/1982-3703000942014

Keller, H., Lamm, B., Abels, M., Yovsi, R., Borke, J., Jensen, H., et al. (2006). Cultural models, socialization goals, and parenting ethnotheories: A multicultural analysis. Journal of Cross-Cultural Psychology, 37 (2), 155-172. doi: 10.1177/0022022105284494

Kobarg, A. P., & Vieira, M. L (2008). Crenças e práticas de mães sobre desenvolvimento infantil nos contextos rural e urbano. Psicologia Reflexão e Crítica, 21 (3), 401-408. doi: 10.1590/S0102-79722008000300008

Marín, F. A., Esteban, Y. A., & Bañón, D. R. (2015). Herramientas de cribado para la detección de retrasos o trastornos en el desarrollo: Una revisión sistemática de la literatura. Revista Española de Discapacidad, 3 (2), 7-26. doi: 10.5569/2340-5104.03.02.01

Martinez, C. R. J., & Forgath, M. S. (2002). Adjusting to change: Linking family structure transitions with parenting boys adjustment. Journal of Family Psychology, 16 (2), 107-117. doi: 10.1037/0893-3200.16.2.107

Minetto, M. F. J. (2010). Práticas educativas parentais, crenças parentais, estresse parental e funcionamento familiar de pais de crianças com desenvolvimento típico e atípico. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC.

Minetto, M. F., & Löhr, S. S. (2016). Crenças e práticas educativas de mães de crianças com desenvolvimento atípico. Educar em Revista, 59, 49-64. doi: 10.1590/0104-4060.44791

Portes, J. R. M. (2013). Crenças sobre práticas de cuidado e metas de socialização de pais e mães com filhos com síndrome de Down. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis-SC.

Ribas, A. F. H., Seidl de Moura, M. L., & Ribas., R. C. (2003). Responsividade materna: Levantamento bibliográfico e discussão conceitual. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16, 137-145. doi: 10.1590/S0102-79722003000100014

Ribas, R. C., Seidl de Moura, M. L., & Bornstein, M. H. (2003). Socioeconomic status in Brazilian psychological research. Part 2: SES and parenting knowledge. Estudos de Psicologia, 8, 385-392. doi: 10.1590/S1413-294X2003000300005

Ribas, R. C., Seidl de Moura, M. L., & Bornstein, M. H. (2007). Cognições maternas acerca da maternidade e do desenvolvimento humano: Uma contribuição ao estudo da psicologia parental. Revista Brasileira de Crescimento e Desenvolvimento Humano, 17, 104-113. doi: 10.7322/jhgd.19819

Seidl de Moura, M. L., Ribas, A. F. P., Seabra, K. C., Pessôa, L. F., Ribas, R. C., & Nogueira, S. E. (2004). Interações iniciais mãe-bebê. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17 (3), 295-302. doi: 10.1590/S0102-79722004000300002

Seidl de Moura, M. L., Ribas, A. F. P., Seabra, K. C., Pessôa, L. F., Nogueira, S. E., Mendes, D. M. L. F., et al. (2008). Interações mãe-bebê de um e cinco meses: Aspectos afetivos, complexidade e sistemas parentais predominantes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 21, 66-73. doi: 10.1590/S0102-79722008000100009

Seidl de Moura, M. L., Ribas, R. C., Piccinini, C. A., Bastos, A. C. S., Magalhães, C. M. C., Vieira, M. L., M. L., et al. (2004). Conhecimento sobre desenvolvimento infantil em mães primíparas de diferentes centros urbanos do Brasil. Estudos de Psicologia, 9 (3), 421-429. doi:10.1590/S1413-294X2004000300004

Silva, N. C. B., Nunes, C. C., Betti, M. C. M., & Rios, K. S. A. (2008). Variáveis da família e seu impacto sobre o desenvolvimento infantil. Temas em Psicologia, 16 (2), 215-229. “(DOI INEXISTENTE)”

Silva, R. A. (2008). Cognições parentais: Crenças, metas e estratégias de socialização de mães primíparas. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém-PA.

Silva, R. A., & Magalhães, C. M. C. (2011). Crenças sobre práticas: Um estudo sobre mães primíparas de contexto urbano e não-urbano. Revista Brasileira Crescimento Desenvolvimento Humano, 21, 39-50. “(DOI INEXISTENTE)”

Sobrinho, L. A. (2010). O cuidado parental de crianças com síndrome de Down sob a perspectiva evolucionista. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Bahia, Salvador-BA.

Suizzo, M. A. (2002). French parent’s cultural models and childrearing beliefs. International Journal of Behavioral Development, 26 (4), 297-307. doi: 10.1080/01650250143000175

Vieira, M. L., Seidl de Moura, M. L., Lordelo, E., Piccinini, C., Martins, G. D. F., Macarini, S. M., et al. (2010). Mother’s beliefs about childrearing practices in seven Brazilian cities. Journal of Cross-Cultural Psychology, 41 (2), 195-211. doi: 10.1177/0022022109354642

Yunes, A. M., & Juliano, M. C. (2010). A biecologia do desenvolvimento humano e suas interfaces com educação ambiental. Cadernos de Educação, 37, 347-379. “(DOI INEXISTENTE)”