O enfermeiro e a família da criança com pertubação do espectro do autismo

Contenido principal del artículo

Dulce María Pereira García Galvão
Cátia Salomé Simões Marques
Dulce Natália Cunha Teixeira
Mariana Patricia Gonçalves Cunha

Resumen

As Perturbações do Espetro do Autismo (PEA), perturbações globais do desenvolvimento, têm incidência de 4-5 por cada 10000 nascimentos, predominantes no sexo masculino (razão de 4:1), apresentam-se em três níveis de gravidade que interferem na vida da criança, com impacto na dinâmica e funcionamento familiar. Objetivos: Conhecer como se desenvolve a consulta de enfermagem junto da família da criança com PEA, identificar o que avaliam e que planos de cuidados os enfermeiros desenvolvem quando assistem a família da criança; compreender as dificuldades dos enfermeiros na consulta de enfermagem e a relação que estabelecem com a família da criança. Participantes e Métodos: Revisão Integrativa da Literatura, para responder à questão “A que aspetos estão atentos os enfermeiros quando assistem a família da criança com PEA na consulta de enfermagem?”. Pesquisa bibliográfica no portal EBSCO, B-On acedendo às bases de dados Psychology and Behavioral Sciences Collection; MEDLINE; CINAHL Plus; MedicLatina, ERIC, Science Citation Index Expanded, SciVerse ScienceDirect e PMC, base de dados SCielo e Google Académico, selecionando estudos de 2009- Maio/2015 em português, inglês e espanhol. Utilizaramse os descritores “nurse”; “nursing”; “family”; “autism”; “autismo spectrum disorder”; “knowledge” e correspondentes em português. Incluíram-se sete artigos. Resultados: Os enfermeiros centram a atuação na criança, realizam avaliação do desenvolvimento infantil e conhecimento da família sobre a perturbação, identificando necessidades da família. O plano de cuidados é realizado com foco na criança relativamente às rotinas e atividades ritualizadas, sem especificidade para a família. As dificuldades dos enfermeiros centram-se na falta de conhecimento sobre a perturbação e abordagem à família. A relação do enfermeiro e família baseia-se na confiança, compreensão e aceitação. O enfermeiro adota papel socializador e educador. Conclusões: Os enfermeiros não se sentem preparados para lidar com a família da criança, necessitam formação. Têm de direcionar a prática para as necessidades dos pais e irmãos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Althoff, C., Renck, L., Sakae S. (2005). Famílias de criança que necessitam de cuidados especiais: o impacto sobre a vida familiar. Família, saúde e desenvolvimento: Curitiba, 7(3), 221-229.

APA. (2013). DSM 5: Diagnostic and statistical manual of mental disorders (5th ed.). England. American Psychiatric Publishing

Carniel, E. L., Saldanha, L. B., Fensterseifer, L. M. (2010). A atuação do enfermeiro frente à criança autista. Pediatria (São Paulo), 32(4), 255-260.

Carniel, E. L., Saldanha, L. B., Fensterseifer, L. M. (2011). Proposta de um plano de cuidados para crianças autistas. Pediatria (São Paulo), 33(1), 4-8.

Coelho, M., Santo, A. (2006). Autismo: Perda de contacto com a realidade exterior. (Acção de Formação nº 07/2006) Centro de Formação Contínua de Professores de Ourique, Castro Verde, Aljustrel e Almodôvar, Portugal.

Dartora, D. D., Mendieta, M. C., Franchini, B. (2014). A equipa de enfermagem e as crianças autistas. Journal of Nursing and Health, 4(1), 27-38.

Fávero, M. A. B., Santos M. A. (2005). Autismo Infantil e estresse familiar: uma revisão sistemática da literatura. Psicologia: Reflexão e Crítica, 18(3), 358-369.

Gonçalves, A. (2011). Os modelos de intervenção são eficazes para melhorar a inclusão de crianças com autismo (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Educação Almeida Garret, Portugal.

Hall, H., Graff, J. C. (2010) Parenting Challenges in families of children with autism: a pilot study. Issues in Compreensive Pediatric Nursing, 33, 187-204.

Martins, C. P. (2012). Face a face com o autismo: será a inclusão um mito ou uma realidade? (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Educação João de Deus, Portugal.

Ministério da Saúde. (2013). Programa Nacional de Saúde Infantil e Juvenil. DGS. Monteiro, C. F., Batista, D. O., Moraes, E. G., Magalhães, T. S., Nunes, B. M., Moura, M.

E. (2008). Vivências maternas na realidade de ter um filho autista: uma compreensão pela enfermagem. Revista Brasileira de Enfermagem, 61(3), 330-350.

Moreira, N. (2010). O cuidar do portador de autismo e seus familiares: uma abordagem mutiprofissional. Revista de pesquisa: cuidado é fundamental online, 2, 271 – 274.

Nogueira, M. A. A., Martins do Rio, S. C. M. (2011). A família com criança autista: Apoio de Enfermagem. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, 5, 16-20.

Nunes, S. C., Souza, T. Z., Giunco, C. T. (2009). Autismo: Conhecimento da equipe de enfermagem. CuidArte Enfermagem, 3(2), 134-141.

Ordem dos Enfermeiros (2014). A criança com autismo. Jornal da Madeira.Recuperado de http://www.ordemenfermeiros.pt/sites/madeira/informacao/Paginas/artigos2014.aspx Pinto, J. P., Ribeiro, C. A., Pettengill, M. M., Balieiro, M., M. (2010). Cuidado centrado na família e sua aplicação na enfermagem pediátrica. Revista Brasileira de Enfermagem, 63(1),132-135.

Portaria nº 306-A/2011. Diário da República nº 242 de 20 de Dezembro de 2011, I Série.

Ministério das Finanças e da Saúde. Lisboa, Portugal.

Will, D., Barnfather, J., Lesley, M. (2013). Self-Perceived Autism Competency of Primary Care Nurse Practitioners. The Journal for Nurses Practitioners, 9(6), 350-351.

Zanatta, E. A., Menegazzo E., Guimaraes, A. E., Ferraz L., Motta, M. G. C. (2014). Cotidiano de famílias que convivem com o autismo infantil. Revista Baiana de Enfermagem, 28(3), 271-282.