Estilos de vida em trabalhadores offshore de uma plataforma da África Subsaariana

Contenido principal del artículo

Eduardo Miguel Coelho
Odete Amaral
Carlos Pereira
Nélio Veiga
José Costa
Paula Nelas
Cláudia Chaves
Emília Coutinho

Resumen

O trabalhador offshore está confinado a um espaço limitado durante um período de tempo. Investigar como as características do ambiente de trabalho afetam a saúde dos trabalhadores constitui uma preocupação. O objectivo deste estudo foi avaliar os estilos de vida em trabalhadores offshore de uma plataforma da África Subsaariana. Participantes e Métodos: Estudo transversal com uma amostra de 99 trabalhadores em offshore, totalidade do sexo masculino, uma média de idade de 39,11±6,91 anos; 78,5% casados e 83,8% possui entre o 5º-12º ano de escolaridade. Os dados foram recolhidos através de um questionário auto-aplicado constituído por variáveis sociodemográficas, profissionais e referentes a estilos de vidas. Os dados foram analisados com recurso ao SPSS versão 24 para Windows. Resultados: Dos trabalhadores em offshore, 54,2% referiu ter 3 ou mais filhos; 54,5% ter uma mulher e 24,2% duas mulheres; 33,3% indicou possuir duas residências. Quanto às variáveis profissionais, em média, o número de anos de trabalho em offshore foi de 10,07±5,52 anos e 75,8% dos trabalhadores realiza um sistema de rotação de 4 semanas. Estilos de vida, 54,5% refere que toma café diariamente, 20% que toma café depois das 20 horas, em média bebem 3,37±1,83 cafés por dia; 74,4% refere que consome diariamente refrigerantes, o mais consumido a coca-cola (67,6%); quase a totalidade dos trabalhadores consome bebidas alcoólicas em terra (83,8%), sendo a mais consumida cerveja (68,7%); 22,2% fuma e em média fumam 15,64±8,52 cigarros por dia. Mais de metade da amostra possui pré-obesidade (63,6%) e 19,2% obesidade; 45,5% refere que às vezes pratica exercício físico e 22,2% frequentemente. Nos últimos 12 meses, 72,0% dos trabalhadores consumiu medicação para dormir; 14,0% sofre de alguma doença, sendo a mais prevalente a hipertensão (42,9%); nos últimos 12 meses 91,0% da amostra consultou um médico e 78,0% consultou um médico de clínica geral. Conclusões: Encontrámos elevadas prevalências de estilos de vida pouco saudáveis, consumos, falta de exercício físico regular, excesso de peso e, quase metade dos trabalhadores sofre de hipertensão.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Alvarez, D., Figueiredo, M. & Rotenberg, L. (2010). Aspectos do regime de embarque, turnos e gestão do trabalho em plataformas offshore da Bacia de Campos (RJ) e sua relação com a saúde e a segurança dos trabalhadores. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional [Internet], 35(122), 201-216. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbso/v35n122/a04v35n122.pdf

Antoniolli, S.A.C., Emmel, S.V., Ferreira, G.E., Paz, P. O. & Kaiser, D.E. (2015). Trabalho offshore e a atuação do enfermeiro embarcado: uma revisão integrativa. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 49(4), 689-698. DOI: 10.1590/S0080-623420150000400021.

Castro, A. C., & Nunes D. K. P. (2008). Análise Crítica do Gerenciamento de Stress em Plataformas Marítimas. In Anais do XXVIII Encontro Nacional de Engenharia de Produção. Rio de Janeiro.

Felipe-de-Melo, E.R.T., Silva, R.C.R., Assis, A.M.O. & Pinto, E.J. (2011). Fatores associados à síndrome metabólica em trabalhadores administrativos de uma indústria de petróleo. Ciências & Saúde Coletiva [Internet], 16(8), 3443-3452. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232011000900012

Leite, R. M. D. S. C. (2009). Vida e trabalho na indústria de petróleo em alto mar na Bacia de Campos. Ciência & Saúde Coletiva [Internet], 14(6), 2181-2189. Disponível em http://www.scielo. br/scielo.php?pid=S1413-81232009000600025&script=sci_abstract&tlng=pt

Maciel de Carvalho, M. (2010). “Vida e trabalho de marítimos embarcados do setor offshore”. Tese de Mestrado em Saúde Pública. Escola Nacional de Saúde Pública. Rio de Janeiro. Disponível em http://pesquisa.bvsalud.org/sms/resource/pt/tes-4001

Oenning, N.S.X., Carvalho, F.M. & Lima, V.M.C. (2014). Risk factors for absenteeism due to sick leave in the petroleum industry. Revista de Saúde Pública [Internet], 48(1), 103-122. Disponível em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4206122/

Organização internacional do trabalho. Departamento de Políticas Sectoriais. Segurança e saúde no trabalho na indústria do petróleo e do gás em países seleccionados da África Subsaariana. Relatório para discussão no Seminário tripartido da África subsaariana sobre segurança e saúde no trabalho na indústria de petróleo e gás (Maputo, Moçambique). Genebra 2017. ISBN 978-92-2-831324-6

Parkes, J. (2007). Reliability as argument. Educational Measurement: Issues and Practice, 26(4), 2-10.

Silva Júlio, D. I., & Ferreira, M. C. (2007). Escala para avaliação de estressores ambientais no contexto off-shore-oil. Avaliação Psicológica, 6(2), 139-146. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1677-04712007000200004

Souza, A.A. (1996). Perfil do Homem offshore aspectos relevantes na relações no trabalho e familiares. Caderno de Pesquisa em administração, São Paulo, 1(3), 2º Sem.

Vidal, J.M. (2014). Saúde e padrão de consumo do álcool em trabalhadores Offshore. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Rio De Janeiro, Escola de Enfermagem Anna Nery. Rio de Janeiro. Disponível em http://objdig.ufrj.br/51/teses/855299.pdf

Vidal, J.M., Abreu, A.M. & Portela, L.F. (2017). Estresse psicossocial no trabalho e o padrão de consumo de álcool em trabalhadores offshore. Cadernos de Saúde Pública; 33(6):e00116616. Disponível em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000606001&script=sci_arttext