Formação do Psicólogo Brasileiro: impasses e desafios

Contenido principal del artículo

Luciana Albanese

Resumen

Este artigo, realizado sob a perspectiva dos Estudos Baseados na Prática (EBP),objetiva refletir sobre a formação do psicólogo brasileiro com base em pesquisas junto a estudantes e professores de Psicologia de duas universidades da região sul do país. Os instrumentos utilizados consistiram em grupos focais, entrevistas semiestruturadas e um grupo de discussão. O método de tratamento empregado foi a Análise de Conteúdo. Como resultados mais significativos destacaram-se nos discursos analisados: a multiplicidade teórica da Psicologia; a falta de unidade da ciência e da profissão; e o distanciamento entre teoria e prática. Tais dados, ao serem confrontados com a Resolução nº 5 do Conselho Nacional de Educaçãodo Ministério de Educação e com as diretrizes do Conselho Federal de Psicologia, evidenciam os principais impasses encontrados no ensino da Psicologia no país.Sinalizam os obstáculos mais relevantes a ser superados a fim de que a formação universitária contribua, efetivamente, para a construção da identidade profissional e para a consolidação da Psicologia como campo de saber e profissão comprometidos com a promoção da qualidade de vida dos indivíduos, grupos, organizações e comunidades.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Luciana Albanese, Universidade Federal do Paraná

Professora Associada IV do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Paraná. Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela Universidade de São Paulo

Citas

Antunes, M. A. M. (2012). A Psicologia no Brasil: um ensaio sobre suas contradições. Psicologia:Ciência e Profissão, 32(spe), 44-65. Recuperado em 12 de janeiro de 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000500005&lng=pt&tlng=pt.

Barbaceli, J.& Ferrarini, N. L. (2008). Relação entre as ideias, o discurso e a subjetividade de professores e alunos do curso de Psicologia da [U1]: uma análise comparativa sobre teorias e práticas psicológicas. Relatório de Iniciação Científica. Curitiba, PR: UFPR.

Barbosa, C. F. & Mendes, I. J. M. (2005). Concepção de promoção da saúde de psicólogos. Paidéia, 15(31), 269-276. Acesso em 02 de maio, 2012, em http://www.scielo.br/pdf/paideia/v15n31/14.pdf

Bardin, I. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições Setenta.

Brasil(2004).Resolução nº 8, de 7 de maio de 2004, do Conselho Nacional de Educação Câmara de Educação Superior.

Brasil (2011). Resolução nº 5, de 15 de março de 2011, do Conselho Nacional de Educação da Câmara de Educação Superior do Ministério de Educação, que “Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de graduação em Psicologia, estabelecendo normas para o projeto pedagógico complementar para a Formação de Professores de Psicologia”.

Carvalho, S. R. (2004). As contradições da promoção à saúde em relação à produção de sujeitos e a mudança social [versão eletrônica]. Ciência e Saúde Coletiva, 9(3), p. 669-678.

Conselho Federal de Psicologia–CFP (2013). Contribuições do Conselho Federal de Psicologia à discussão sobre a formação da(o) psicóloga(o).Brasília, DF: CFP.

Conselho Federal de Psicologia ¬ CFP (2012). Entrevista com o Psicólogo Arrigo Leonardo Angelini. Psicologia: Ciência e Profissão, 32(spe), 318-327. Recuperado em 12 de janeiro de 2016, de http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932012000500023&lng=pt&tlng=pt.

Ferrarini, N. L.& Camargo, D. (2012). O sentido da psicologia e a formação do psicólogo: um estudo de caso. Psicologia & Sociedade, 24(3), p. 710-719.

Ferrarini, N. L., Valore, L. A.& Camargo, D. (2010). Psicologia e formação no discurso de estudantes e professores da [U1]: um estudo. INFAD/International Journal of Developmental and Educational Psychology.Vol.3, série XXII, pp. 295-304.Barcelona, Espanha: INFAD.

Ferrarini, N. L., Camargo, D.& Bulgacov, Y. L. M. (2014). Comunidades de práticas sociais e o debate sobre a formação do psicólogo. INFAD/International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1, Vol.2, pp. 299-306.

Gatti, B. A. (2005)Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Brasília, DF: LíberLivro.

Gherardi, S. (2011).Organizational Learning: The Sociology of Practice. InEasterby-Smith, M.&Lyles, M. A. (Eds.) Handbook of organizational learning and knowledge management. (2 ed.)

Organização Mundial da Saúde - OMS. (1986). Primeira conferência internacional sobre a promoção da saúde. Ottawa, Canadá. Acesso em 20 de maio, 2012, em http://www.daveandrews.com.au/articles/reading3.pdf

Polanyi, M. (2010)O estudo do homem. Portugal: Inovatec.

Ranzi, C. F.& Ferrarini, N. L. (2007). A dinâmica do grupo focal como um método qualitativo de produção de conteúdo subjetivo dos alunos da [U1]: o aluno, o curso e a subjetividade.Relatório de Iniciação Científica.Curitiba, PR: UFPR.

Reckwitz, A. (2002). Toward a Theory of Social Practices.A Development in Culturalist Theorizing.European Journal of Social Theory,5(2): 243–263Londres, Inglaterra; Thousand Oaks, EUA; Nova Delhi, Índia: Sage Publications.

Rey, F.G. (2003). Sujeito e Subjetividade: uma aproximação histórico-cultural. São Paulo, SP: Pioneira Thomson.

Wenger, E. (2011). Comunidades de prática: Aprendizaje, significado e identidad. Madrid, Espanha: Paidós.