O trabalho do professor e as prescrições do domínio da leitura nas ae em Portugal

Contenido principal del artículo

Sandra Patricia Ataíde Ferreira
Audria Albuquerque Leal

Resumen

Objetiva-se refletir sobre as prescrições do ensino e aprendizagem da leitura materializadas nas Aprendizagens Essenciais (AE) referentes ao 2º Ano do 1º Ciclo do Sistema de Ensino de Portugal. As AE são definidas como Denominador Curricular Comum para todos os alunos do território Português e estão em convergência com o Perfil dos Alunos à Saída da Escolaridade Obrigatória. Parte-se do pressuposto que a leitura é uma atividade complexa que requer o ensino de estratégias cognitivas e discursivas que permitam o diálogo do leitor com o autor a partir de um posicionamento responsivo. Compreende-se, também, que o trabalho do professor se realiza como uma atividade coletiva, que é dirigida aos alunos e a outros sujeitos da comunidade escolar. O professor é concebido como um sujeito ativo que redefine para si mesmo as tarefas que lhe são prescritas e define aquelas que irá prescrever para os alunos. Nesta apresentação, reflete-se sobre a dimensão das prescrições para entender o trabalho do professor no âmbito da leitura por meio do método indireto, conforme a perspectiva vigotskiana. Para alcançar o objetivo, pretende-se: (i) apresentar o documento; (ii) discutir o seu contexto de produção; (iii) refletir sobre o status da leitura para a formação do sujeito.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Sandra Patricia Ataíde Ferreira, Universidad de Extremadura

Profesora Departamento de Psicología y Antropología

Facultad de Educación
Universidad de Extremadura

Citas

Amigues, René (2004). Trabalho do professor e trabalho de ensino. In A. R. Machado (Org.), O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva (pp. 35-53). Londrina: Eduel.

Aprendizagens essenciais. Direção-Geral da Educação. República Portuguesa, 2018. Recuperado de http://www.dge.mec.pt/aprendizagens-essenciais.

Aprendizagens essenciais-articulação com o perfil dos alunos. Português. 2º Ano 1º Ciclo, Ensino Básico. República Portuguesa, 2018. Recuperado de http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Aprendizagens_Essenciais/10_portugues.pdf

Bakhtin, M. (2003). Estética da criação verbal (4a ed.). São Paulo: Martins Fonte.

Bronckart, J. P. (2006). Atividade de linguagem, discurso e desenvolvimento humano. (Org. A. R. Machado, M. L. M. Matencio. Trad. Anna Rachel Machado, Maria Ângela Paulino Teixeira Lopes, Maria de Lourdes Meirelles Matencio, Rosalvo Gonçalves Pinto). Campinas: Mercado de Letras (Obra original publicada em 2004).

Buescu, H. C., Morais, J.; Rocha, M. R. & Magalhães, V. F. (2015) Programa e metas curriculares de português do ensino básico. Ministério da Educação e Ciência, Portugal.

Carvalho, C. & Souza, O. C. (2012). Portugal e Brasil: Letramento e ensino de leitura. Polifonia. Cuiabá, MT, v. 19, n 25. P. 181-196, jan/jul.

Comissão Europeia. Competências essenciais para a aprendizagem ao longo da vida quadro de referência Europeu. Luxemburgo: Serviço das Publicações Oficiais das Comunidades Europeias, 2007. Recuperado de http://ec.europa.eu/dgs/education_culture/publ/pdf/ll learning/keycomp_pt.pdf

Decreto-Lei n. 55/2018, de 06 de julho de 2018. Estabelece o currículo dos ensinos básico e secundário, os princípios orientadores da sua conceção, operacionalização e avaliação das aprendizagens. Recuperado de https://dre.pt/application/conteudo/115652962

Despacho n. 8476-A/2018, de 31 de agosto de 2018. As Aprendizagens Essenciais das disciplinas dos cursos científico - humanísticos de Ciências e Tecnologias, Ciências Socioeconómicas, Línguas e Humanidades e Artes Visuais. Recuperado de https://dre.pt/application/conteudo/116279697

Ferreira, S. P., A. Lima, M. P., T. N.; Gonçalves, F. M. da S. (2011). A interlocução entre aluno-leitor/ autor em sala de aula e a mediação do docente universitário. Psicologia: Teoria e Prática, 13(1), 62-74.

Suárez, N. & Jiménez, J. E. (2014) ¿Influyen los años de experiencia y la especialidad de los profesores en las teorías implícitas que se atribuyen sobre el aprendizaje de la lectura? International Journal of Developmental and Educational Psychology INFAD Revista de Psicología, 1(2), 257-262.

Formosinho, J. & Machado, J. (2008). Currículo e organização: as equipas educativas como modelo de organização pedagógica. Currículo sem Fronteiras, 8(1), 5-16.

Friedrich, J. (2012). Lev Vygotski: médiation, apprentissage et développement - une lecture philosophique et épistémologique (2a ed.) (Collection Carnets des sciences de l’éducation). Université de Génève, Faculté de Psychologie et des Sciences de l’Éducation: Genève.

Gonçalves, C. & Souza, O. C. (2010). Português Le/L1: compreensão na leitura. Limite, 4, 119-139.

Machado, Ana R. (1998). O diário de leituras: a introdução de um novo instrumento na escola. São Paulo: Martins Fontes.

Machado, A. R. (2009). Diários de leituras a construção de diferentes diálogos na sala de aula. In L. S. Abreu-Tardelli, & V. L. L. Cristovão (Orgs.). Linguagem e Educação o ensino e a aprendizagem de gêneros textuais (pp. 71-91). Campinas: Mercado das Letras.

Marcuschi, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

Metas Curriculares de Português. Caderno de Apoio - Aprendizagem da Leitura e da Escrita (LE). Direção Geral da Educação. Ministério da Educação, Portugal, 2015. Recuperado de: http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Basico/Metas/Portugues/caderno_aprendizagem_da_leitura.pdf

Oliveira, K. R. S. (2017). Compreensão de textos literários na educação infantil: rodas de leitura e mediação docente (Dissertação de mestrado). Universidade Federal de Pernambuco – Programa de Pós-graduação em Psicologia Cognitiva, Recife, PE, Brasil.

Oliveira, K. R. S. & Ferreira, S. P. A. (no prelo). Compreensão de textos literários por alunos da educação infantil. Psicologia Escolar e Educacional.

Parecer CNE/Portugal n. 11, de 28 de maio de 2018. Dispõe sobre o Currículo dos ensinos básicos e secundário. Recuperado de https://dre.pt/application/conteudo/115392237

Parecer Conselho das Escolas/Portugal n 04, de 14 de maio de 2018. Dispõe sobre o Currículo dos ensinos básicos e secundário. Recuperado de http://www.cescolas.pt/wpcontent/uploads/2018/05/Parecer_04_2018_Revisao_Curricular.pdf

Perfil dos alunos à saída da escolaridade obrigatória. Ministério da Educação. Direção-Geral da Educação. República Portuguesa, 2017. Recuperado dehttps://dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/perfil_dos_alunos.pdf.

Plano Nacional de Leitura. 2017. Recuperado de http://www.pnl2027.gov.pt.

Roldão, M. C.; Peralta, H.; Martins, I. P. (2017). Currículo do ensino básico e do ensino secundário para a construção de aprendizagens essenciais baseadas no perfil dos alunos. Recuperado de http://www.dge.mec.pt/sites/default/files/Curriculo/Projeto_Autonomia_e_Flexibilidade/ae_documento_enquadrador.pdf. Acesso em: 07 de out. de 2018.

Santos, M. E. B., Marques, A., Cibele, C., Matos, F., Menezes, I., Nunes, L., Paulus, P., Nobre, P., & Fonseca, T. (2011) Educação para a cidadania − Proposta Curricular para os Ensinos Básico e Secundário. Disponível em: https://www.dge.mec.pt/sites/default/files/ECidadania/ed_cidadania_basico_sec_2011.pdf. Acesso em: 07 de out.2018.

Schneuwly, B. & Cordeiro, G.S. (2016). Le genre de texte comme objet autonome d’enseignement: comparaison de deux approches didactiques. In Cordeiro, G. S. & Vrydaghs, D. (Orgs.). Statuts des genres en didactique du français. (pp. 83-107). Namur: Presses universitaires de Namur.

Unesco. Educação para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável - Objetivos de aprendizagem., 2017. Recuperado de https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2015/10/agenda2030-ptbr.pdf

Vygotski, L. S. (1991). A formação social da mente (4a ed.). São Paulo: Martins Fontes.

Vigotski, L. S. (2004). Sobre o artigo de K. Koffka. “A introspecção e o método da psicologia.” A título de introdução. In L.S. Vigotski, Psicologia teoria e método (pp. 87-92). São Paulo: Martins Fontes (Obra original publicada 1926).