Lógicas, racionalidades e contextos dos itinerários de saúde/doença de Universitários

Contenido principal del artículo

Julia Maria Ribeiro Antunes

Resumen

Os estudantes universitários em Ciências da Saúde, são tipicamente bem educados, saudáveis, são um grupo relativamente homogéneo e privilegiado relativamente a cultura e status socioeconómico, constituindo sem dúvida, um potencial de liderança futura que poderá influenciar outros grupos sociais em diversos momentos do ciclo de vida, assumindo o papel de agentes de mudança.

Na Sociedade e Cultura do nosso tempo, encontramos inquietações que não são fáceis de estudar, como a medicalização da sociedade, os fenómenos de comorbilidade, iatrogenia, a prevenção quaternária, para além de toda a complexidade relacionada com a medicina, médicos e medicamentos.

A partir desta temática e com recurso a vários patamares de conhecimento fomos desenvolvendo a construção de um objecto teórico de forma a seguidamente desenvolvermos a sua análise, que se concretizou no objectivo deste estudo, ou seja, conhecer e caracterizar as práticas de saúde e/ou doença, de jovens universitários, bem como representações sociais acerca dos médicos da medicina e dos medicamentos.

Desejámos compreender, se existem práticas medicalizantes, promotoras da autonomia e/ou dependência, novas formas de gestão do corpo e do bem-estar, práticas de risco, recurso à auto-medicação, crenças acerca da medicina, metáforas acerca dos medicamentos, bem como se existe alinhamento com o conceito e filosofia da prevenção quaternária.

Foram inquiridos, através de questionário, 502 estudantes universitários da área de Ciências da Saúde. Tratou-se de um estudo exploratório, descritivo e transversal. Os resultados foram sujeitos a análise descritiva e inferencial utilizando-se neste caso o teste qui-quadrado, a análise factorial e a análise de componentes principais com nível de significância de (p menor que =0,05)

Encontramos sinais de bom senso e espírito crítico nas escolhas efectuadas pelos jovens, não encontramos significativas diferenças de género maior parte das variáveis em analise, o que nos leva a questionar, como será a Sociedade do Futuro?

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Julia Maria Ribeiro Antunes, instituto superior de ciências da saude egas moniz

Medica e Medica Dentista.Mestre em Medicina Comunitária.Doutorada pela Unex.

Citas

Andrade, S.M., Soares D.A., Braga, G.P., Moreira, J.H., Botelho, F.M.N. (2003).

Comportamentos de risco para acidentes de trânsito: um inquérito entre estudantes de medicina na Região Sul do Brasil. Rev Assoc Méd Bras; 49:439-44.

Almeida, L., Soares, A.(2003). Os estudantes universitários: sucesso escolar e desenvolvimento psicossocial. In: Mercuri,E.; Polydoro, S. (Orgs.).Estudante universitário: características e experiências de formação.Taubaté:Cabral.

Antunes, J. (2010). A prevenção Quaternária e o seu impacto nos Itinerários de Saúde/Doença. Rev. INFAD 2010, nº1 Vol.4. pag. 443-456.

Bardagi, M., Hutz, C. (2009). “Não havia outra saída”: percepções de alunos evadidos sobre o abandono do curso superior. Psico-USF, v. 14, n.1, p.95-105.

Davies, J., McCrae, B.P., Frank, J., Dochnahl, A., Pickering, T., Harrison B., et al. (2000). Identifying male college students' perceived health needs, barriers to seeking help, and recommendations to help men adopt healthier lifestyles. J. Am. Coll. Health; 48:259-67.

Gaither C, et al (2001). Consumers' views on generic medications. J. Am. Pharm. Assoc. 41, 729-36.

Gérvas, J., Fernandez, M.P. (2003). Genética y prevención quaternária: el ejemplo de la hemacrotosis. Aten Primaria Jul 30; 32 (3): 158-62

Gérvas, J., Fernandez, M.P. (2006). Uso y abuso del poder médico para definir enfermedad y factor de riesgo, en relación con la prevención cuaternaria. Gac. Sanit., 20 Suppl 3, 66-71.

Gérvas J., Fernandez, M.P. (2013). Sano y Salvo. Barcelona.Los Libros del Lince.

Horel, S. (2010). Les médicamenteurs. Paris: Éditions du Moment.

Horne R. Weinman J. (1999). Patients' beliefs about prescribed medicines and their role in adherence to treatment in chronic physical illness. Journal of psychosomatic research. 47(6), 555-67.

Kuenlein,T et al (2010).Primary Care.10(18)

Illich, I. (1975). A expropriação da saúde – Nêmesis da Medicina. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira

Lalo, C & Solal, P (2011). Le livre noir du medicament.Paris.Plon

Lowry, R, Galuska, D.A., Fulton, J.E., Wechsler, H., Kann, L., Collins, J.L. Physical activity, food choiee, and weight management goals and practices among U.S.

college students. Am J Prev Med 2000; 18:18-27.

Montagne, M. (1988). The metaphorical nature of drugs and drug taking.

Social Sciences & Medicine. Vol.26, 4, pp. 417-424

Pachane, G.(2003) A experiência universitária e sua contribuição ao desenvolvimento pessoal do aluno. In: Mercuri, E.; Polydoro, S. (Orgs.).Estudante universitário: características e experiências de formação.Taubaté: Cabral.

Pereira, A. & Ramos, S. (2000). Promoção dos estilos de vida saudável em contexto académico. In: Actas do Congresso International Interfaces da Psicologia, vol II, Évora: Universidade de Évora, pp. 229-237.

Pereira, A., Silva, C. (2001). Quality of life in the academic context: Contributions to the promotion of students ‘health behaviours. In: 10th Biennial Conference of International Study Association on Teachers and Teaching, 21 a 25 de Setembro de 2001, Universidade de Algarve. Faro, p. 21.

Pereira, A. et al.(2006). Sucesso e desenvolvimento psicológico no Ensino

Superior: Estratégias de intervenção. Análise Psicológica, vol.24, n.1, p.51-59. jan.

Resapes.(2002). A Situação dos Serviços de Aconselhamento Psicológico no Ensino Superior em Portugal. Vol. 1, 2 e 3. Lisboa.

Starfield, B. (2000). Is US health really the best in the world? JAMA 284, 483-5.

Starfield, B. (2002). Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. 1a Ed. Brasília: Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura/Ministério da Saúde.

Sen, A. (1999). Development as freedom. New Delhi. Orford university press.

Tones, K.,Tilford, S (2001).Health promotion: effectiveness, efficiency and equity. United Kingdom: Nelson Thornes.

Vuckovic, N., Nichter, M. (1997). Changing patterns of pharmaceutical practice in the United States. Social Sciences & Medicine,vol.4, nº9,,pp.1285-1302