Os primeiros meses na dança relacional mãe-bebé(s): desafios decorrentes da situação gemelar

Contenido principal del artículo

Sofia Veiga
Ana Bertão
Madalena Alarcão

Resumen

É decorrente das competências percetivas e relacionais da mãe e do bebé, e da sua dança relacional, que o comportamento de vinculação se vai gradualmente desenvolvendo; e é da qualidade desta dança relacional que dependerá, a posteriori, o solo individual e a articulação de dois desenvolvimentos interligados, mas independentes.
Ora, no caso das mães gemelares, estas têm de estabelecer relações individuais com duas ou mais crianças, com a mesma idade, tendo em conta as suas necessidades idênticas, assim como as suas distintas personalidades, necessidades e padrões de interação.
A pesquisa que se apresenta procurou investigar a existência de uma relação, nos seis primeiros meses de vida, entre o tipo de ligação vinculativa mãe-bebés gémeos e a diferenciação que a mãe faz dos mesmos.
Em termos de procedimentos, foram realizadas três entrevistas semi diretivas a quarenta mães gemelares, de tipo clínico, uma após o parto e as outras aos três e aos seis meses. Para a análise dos dados, optou-se por uma metodologia quantitativa, utilizando uma análise correlacional das variáveis.
A análise realizada concluiu sobre a não existência de uma relação clara entre as duas variáveis. Não obstante, a qualidade da relação mãe-bebés parece ser afetada por variáveis como: a vivência materna do parto relativamente a si e aos bebés; as complicações clínicas durante o parto; a primeira imagem materna dos bebés reais
e a estadia dos bebés na incubadora; a capacidade de a mãe integrar o bebé real no bebé imaginário; a perceção materna das (des)vantagens da situação gemelar e da sua competência para lidar adequadamente com ambas as crianças e com cada uma, em particular. Compreende-se, assim, a importância de as mães gemelares serem apoiadas, particularmente no período pós-parto, já que têm de enfrentar uma multiplicidade de desafios que podem afetar os processos de vinculação e de separação-individuação.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Sofia Veiga, Universidad de Extremadura

Escola Superior de Educação
Instituto Politécnico do Porto

Ana Bertão, Escola Superior de Educação Instituto Politécnico do Porto

Escola Superior de Educação
Instituto Politécnico do Porto

Madalena Alarcão, Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação Universidade de Coimbra

Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação
Universidade de Coimbra

Citas

Anderson, B., & Anderson, A. (1987). Assessing families with problems attaching to twin infants. In M. Leahey & L. Wright (Eds.), Families and psychosocial problems (pp. 64-77). Pennsylvania: Aprenghouse Publishers.

Anderson, B., & Anderson, A. (1990). Toward a substantive theory of mother-twin attachment. Maternal Child Nursing, 15(6), 373-377.

Andrade, L., Martins, M., Angelo, M., & Martinho, J. (2014a). A família na vivência da gemelaridade – Revisão sistemática. Texto & Contexto Enfermagem, 23(3), 758-66.

Andrade, L., Martins, M., Angelo, M., & Martinho, J. (2014b). A saúde mental na parentalidade de filhos gémeos – Revisão da literatura. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental, Especial 1, 109-116.

Bakeman, R., & Brown, J., (1977). Early interaction: consequences for social and mental development at three

years. Confrontations Psychiatriques, 16, 83-124.

Blondel, B. (2012). Augmentation des naissances gémellaires et conséquences sur la santé. Journal de Gynécologie Obstétrique et Biologie de la Reproduction, 38(8S1), 7-17.

Bryan, E. (2002). Educating families, before, during and after multiple birth. Seminars in Neonatologie, 7(3), 241-6.

Charlemain, E., & Garel, M. (2009). Difficultés psychologiques des mères d’enfants multiples: de la grosssesse aux premières années. In M. Dehan & D. Lacombe (Eds.), Les jumeaux et leur pédiatre (s/p). Paris: Doin Editeurs.

Choi, Y., Bishai, D., & Minkovitz, C. (2009). Multiple birth are a risk factor for postpartum maternal depressive symptoms. Pediatrics, 123(4), 1147-1154.

Colpin, H., Munter, A., & Nys, V. (2000). Pre and postnatal determinants of parenting stress in mothers of one year-old twins. Marriage Family Review, 30(1), 99-107.

David, D., Azevedo, E., Russi, E., Berthoud, C., & Oliveira, A. (2000). Tríade de contato íntimo: Apego entre mãe e filhos gêmeos. Revista Biociência, 6(1), 7-63.

Dias Cordeiro (1994). A saúde mental e a vida (3ª ed.). Lisboa: Salamandra (obra original publicada em 1982).

Figueiredo, B. (1992). Contextos de educação e desenvolvimento: A interacção mãe-bébé (Dissertação das Provas de Aptidão Científica e Capacidade Pedagógica não publicada). Universidade do Porto, Porto, Portugal.

Franco, V. (Org.) (2016). Contributos psicodinâmicos para a intervenção precoce na infância. Évora: Edições Aloendro.

Garel, M., Charlemaine, E., & Blondel, B. (2006). Conséquences psychologiques des naissances multiples. Gynécologie Obstétrique & Fertilité, 34(11), 1058-63.

Glazebrook, C., Sheard, C., Cox, S., Oates, M., & Ndukwe, G. (2004). Parenting stress in first-time mothers of twins and triplets conceived after in vitro fertilization. Fertility and Sterility, 81(3), 505-511.

Lester, B., Hoffman, J., & Brazelton, T. (1985). The rythmic structure of mother-infant interaction in term and preterm infants. Child Psychology, 56, 15-27.

Manso, P., Vaz, A., Taborda, A., & Silva, I. (2011). Coronocidade e complicações perinatais na gravidez gemelar. Casuística de 10 anos. Acta Médica Portuguesa, 24, 695-698.

Robin, M., & Josse, D. (1987). Quelques aspects de la relation mère-enfant à la suite d’une naissance gémellaire. Neuropsychiatrie de l’Enfance et de l’Adolescence, 35(8-9), 369-377.

Rodrigues, D., Fernandes, A., Silva, R., & Rodrigues, M. (2006). O domicílio como espaço educativo para o autocuidado de puérperas: binômio mãe-filho. Texto & Contexto Enferm, 15(2), 77-86.

Rodrigues, C., Branco, M., Ferreira, I., Nordeste, A., Fonseca, M., Taborda, A., Silva, I., & Almeida, M. (2005). Epidemiologia da Gestação Múltipla – Casuística de 15 anos. Acta Médica Portuguesa, 18, 107-111.

Siddiqui, F., & McEwan, A. (2007). Twins. Obstetric, Gynaecology and Reproductive Medicine, 17(10), 289-296.

Silva, J., Cecatti, J., Pires, H., Passini Jr, E., Parpinelli, E., & Pereira, B. (2003). Assistência à gestão e parto gemelar. Revista Ciências Médicas, 12(2), 173-183.

Souza, L., Madi, J., Araújo, B., Zatti, H., Madi, S., Lorencetti, J., & Marcon, N. (2010). Características e resultados perinatais das gestações gemelares (1998-2007). Revista AMRIGS, 53(2), 150-155.

Tourrette, C., Robin, M., & Josse, D. (1988). Les pratiques éducatives des mères de jumeaux: Une investigation par l’analyse factorielle des correspondences. Année Psychologique, 88(4), 545-561.

Van der Zalm, J. (1995). Accommodating a twin pregnancy: maternal processes. Acta Geneticae Medicae et Gemellelogiae, 44, 117-133.

Veiga, S. (1997). Vinculação e separação-individuação em díades mãe-bebés gémeos (Tese de Mestrado não publicada). Universidade de Coimbra, Coimbra, Portugal.