Alcoólicos Anónimos

Contenido principal del artículo

Sandra Cristina Rodrigues Teixeira Reis
Aldina Cruz da Silva
Florêncio Castro Vicente

Resumen

Este artigo de revisão cientifica prendeu-se essencialmente com o Modelo Minnesota – Modelo presente no tratamento do alcoolismo. A comunidade dos AA nasceu nos EUA e já ajudou milhares de membros a manterem-se abstinentes.  Foi nos anos 40 que o Modelo Minnesota começou a emergir significativamente e desde então espalhou-se por todo o mundo. Por isso verificamos que várias clínicas e associações utilizam este modelo, sendo exemplo a Clíncia Creta situada em Lisboa. Efetivamente com este modelo de tratamento  outros são utilizados em simultâneo - a terapia cognitivo comportamental como é o caso da Creta. Tudo se pode fazer desde que seja para melhorar a qualidade de vida dos alcoólicos anónimos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Florêncio Castro Vicente

Sandra Reis 1, Aldina Cruz e Silva 2 & Florencio Vicente Castro3

1Doutoranda em Psicologia  na Facultad de Educación - Universidad de Extremadura, Badajoz – España

Mestre em Psicologia Clínica - Psicoterapias pelo ISMT, Coimbra - Portugal

Membro da Asociación Internacional de Psicología Evolutiva y Educativa de la Infancia, Adolescencia, Mayores y Discapacidad –INFAD

2Doutoranda em Psicologia na Faculdad de Educación – Universidad de Extremadura, Badajoz – España

Master em Estudos Europeus e Direitos Humanos – Universidade Pontifícia  de Salamanca.

Professora de História e Geofrafia de Portugal 2ºciclo,  Escola Secundária nº2 – Agrupamento de Escolas da Lousã

3Catedrático de Psicologia Facultad de Educación da Universidad de Extremadura, Badajoz (España).

Académico de la Academia Internacional de Psicologia.

Asesor del Foro Permanente de la Europa Social.

Premio Juan Huarte de San Juan de Psicología 2010.

Doctor "Honoris Causa” UAE. Paraguay

Citas

Alcoólicos Anónimos (1935). Sobriedade Online Preâmbulo. [Versão electrónica] Retirado de http://www.aasobriedade.org/modules.php?name=Conteudo&pid=7, acedido a 4 de Fevereiro de 2016.

Edwards, G., Marshall, E., Cook, C. (2005). “O tratamento do Alcoolismo: Um guia para profissionais da Saúde”. São Paulo. Editora Artemed.

Calafat, A., Jerez, M. J., Iglesias, E. B., & Gómez, C. F. (2007). “Mediadores Recreativos y Drogas: Nueva Área para la Prevención”. Palma de Maiorca: IREFREA España.

Feijão, F. (2010). “Epidemiologia do consumo de álcool entre os adolescentes escolarizados a nível nacional e nas diferentes regiões geográficas”. Revista Toxicodependências, 16, 29-46.

Gilbert FS. (1991). Development of a “steps questionnaire”. J Stud Alcohol; 52:353-60.

Henriques, S., Peralta, M., Borges, P., & Serralheiro, R. (2010). Intervenção em espaços recreativos nocturnos – da experiência da intervenção à evidência da investigação. Interacções, 14, 57-76.

Lazarus, R. & Folkman, S. (1984). Stress, appraisal, and coping. New York: Springer.

Narcóticos Anómimos (1983). Doze passos dos Narcóticos Anónimos. [versão electrónica] retirado de http://www.na-pt.org/12-passos.php, acedido a 4 Fevereiro 2016.

Pena-Afaro, (1993). A.A. Alcoolismo: Os Seguidores de Baco. São Paulo: Mercuryo.

Project MATCH (1999). Sumary Addction. Editor`s Introducion.

Reis, S. (2016) Autoeficácia, Psicopatologia e Qualidade de Vida. O Papel da Autoeficácia na manutenção do tratamento e da Qualidade de Vida na manutenção do tratamento dos doentes Alcoólicos. Tese de Doutoramento a apresentar à Universidade da Estremadura - Badajoz., Espanha.

Rodrigues, J.A.de Sousa (2015). Modelo e Objetivos. Creta – Clínica de Tratamento – Tratamento Primário, Tratamento Ambulatório, Prevenção de Recaída, Pós Tratamento, Assistência e Famílias, Reinserção. [Versão electrónica] Retirado de http://www.cretatratamento.com/modelo-e-objectivos/, acedida a 4 de Fevereiro de 2016.

Serra., D.S.A. (2014). Álcool e Criminalidade. Dissertação de Mestrado em Psicologia da Justiça submetida ao Instituto da Universidade da Maia.