Validação do questionário de avaliação de competências socioemocionais para alunos de 1º e 2º ciclo do ensino básico

Contenido principal del artículo

Vítor Alexandre Coelho
Vanda Sousa

Resumen

Nas últimas décadas, a Aprendizagem SocioEmocional tem-se tornado num fenómeno global. No entanto, à expansão existente na criação de programas não tem correspondido um equivalente crescimento no desenvolvimento de instrumento de avaliação de competências socioemocionais, o que acarreta problemas na correta avaliação dos efeitos dos programas SEL. O presente estudo apresenta a validação de um instrumento (que já apresentava qualidades psicométricas junto de uma faixa etária mais alta), o Questionário de Avaliação de Competências SocioEmocionais (Coelho, Marchante e Sousa, 2014), a alunos de nove a 12 anos. Assim, o instrumento foi aplicado a 765 alunos (52.7% rapazes) do 4º e 6º ano de escolaridade, com idades entre os nove e os 12 anos (Midade = 10.07; DP = 1.26). Foi conduzida uma Análise Fatorial Confirmatória e análises de consistência interna e de validade concorrente, bem como análises dos efeitos de género e desenvolvimentistas. Os resultados indicam que esta versão QACSE é composto por 39 itens e apresenta uma estrutura bifatorial, composta por quatro dimensões socioemocionais correlacionadas; autocontrolo, consciência social, competências relacionais e tomada de decisão responsável. O QACSE apresenta ainda duas dimensões de dificuldades socioemocionais correlacionadas; isolamento social e ansiedade social. As dimensões do presente questionário apresentam níveis elevados de correlação com as dimensões correspondentes de outro questionário similares. Foram ainda encontradas diferenças de género, com as raparigas a apresentarem níveis mais altos de autocontrolo, consciência social, tomada de decisão responsável e ansiedade social. Desta forma, é possível concluir que o QACSE se mostrou um instrumento válido, fiável e de preenchimento rápido, adequado para avaliar as competências socioemocionais e as dificuldades socioemocionais de alunos dos nove aos 12 anos, na sua multidimensionalidade.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Vítor Alexandre Coelho, Universidad de Extremadura

Académico de Torres Vedras

Vanda Sousa, Académico de Torres Vedras

Académico de Torres Vedras

Citas

Collaborative for Academic, Social, and Emotional Learning (2005). Safe and sound: An educational leader’s guide to evidence based social and emotional learning programs – Illinois edition. Chicago: Author.

Collaborative for Academic, Social, and Emotional Learning (2012). 2013 CASEL guide: Efective social and emotional learning programs (Preschool and elementary school edition). Chicago, IL: Authors.

Coelho, V., e Figueira, A. (2011). Project “Positive Attitude”: promoting school success through social and emotional abilities development. Design for elementary and middle school students, in Portugal. Interamerican Journal of Psychology, 45(2), 185–192.

Coelho, V. A. e Sousa, V. (2018). Differential effectiveness of a middle school social and emotional learning program: Does setting matter? Journal of Youth and Adolescence, 47, 1978-1991. doi:10.1007/s10964-018-0897-3

Coelho, V., Sousa, V. e Marchante, M. (2015). Development and validation of the social and emotional competencies evaluation questionnaire. Journal of Developmental and Educational Psychology, 5(1), 139–147. doi:10.5539/jedp.v5n1p139.

Coelho, V., Sousa, V., Raimundo, R. e Figueira, A. (2017). The impact of a Portuguese middle school social–emotional learning program. Health Promotion International, 32, 292-300. doi: 10.1093/heapro/dav064

Durlak, J., Weissberg, R., Dymnicki, A., Taylor, R. & Schellinger, K. (2011). The impact of enhancing students’ social and emotional learning: A meta analysis of school based universal interventions. Child Development, 82(1), 405 432. doi:10.1111/j.1467-8624.2010.01564.x

Ferreira, C. & Rocha, A. M. (2004). BAS-3, Bateria de Socialização (Auto-avaliação). Lisboa: CEGOC.

Harter, S. (2006). Developmental and individual difference perspectives on self-esteem. In D. K. Mroczek & T. D. Little (Eds.), Handbook of personality development (p. 311–334). New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates Publishers.

Mahoney, J. L., & Weissberg, R. P. (2019). What is systemic social and emotional learning and why does it matter? The Blue Dot, 10, 16-24. Retrieved from: http://mgiep.unesco.org/the-bluedot

Silva, F., & Martorell, M. C. (1995). BAS3: Bateria de Socialización (Autoevaluación) [BAS-3, Social Skills Battery (Self-Report)]. Madrid, Spain: TEA Ediciones.

Taylor, R., Oberle, E., Durlak, J. A., & Weissberg, R. P. (2017). Promoting positive youth development through school-based social and emotional learning interventions: A meta-analysis of follow-up effects. Child Development, 88, 1156–1171. doi:10.1111/cdev.12864

Wiglesworth, M., Lendrum, A., Oldfield, J., Scott, A., ten Bokkel, I., Tate, K., & Emery, C. (2016). The impact of trial stage, developer involvement and international transferability on universal social and emotional learning programme outcomes: A meta-analysis. Cambridge Journal of Education, 46, 347-376.

doi:10.1080/0305764X.2016.1195791