Benefícios da inteligência emocional e suas implicações para a intervenção em saúde: empatia e traços de personalidade dos enfermeiros

Contenido principal del artículo

Ana Galvão
Maria José Gomes
Fernando Pereira

Resumen

Assistimos a vários debates sobre competências humanitárias em enfermagem, tais como: o cuidar, a compaixão e a empatia. Mantém-se em aberto a reflexão sobre se estas competências integram os traços da personalidade ou se podem ser ensinadas e treinadas. Há também o interesse por parte dos profissionais do ensino da enfermagem sobrecomo desenvolver estas competências nos estudantes. Assim, torna-seindispensável identificar qual o estado da expressão destas competências em profissionais de saúde. Realizamos um estudo exploratório, transversal, descritivo, correlacional e inferencial, com o objetivo de identificar os níveis de empatia e dos traços de personalidade dos enfermeiros; e, relações entre as variáveis socioprofissionais e as dimensões sob estudo, numa amostra de 232 enfermeiros: 186 (80.2%) do género feminino; 149 (64.5%) com mais de cinco anos de tempo de serviço. Utilizou-se um questionário online, constituído por questões socioprofissionais; pela Jefferson Scale of Physician Empathy; e o Big-Five Inventory (BFI-44). Constatamos que os enfermeiros apresentam níveis altos nas três dimensões da empatia: compaixão, perspetiva do doente e colocar-se no lugar do doente. Nos traços de personalidade as pontuações são acima da média para a extroversão, amabilidade, conscienciosidade e abertura; com exceção da dimensão neuroticismo onde a pontuação média é relativamente baixa.
Encontraram-se correlações positivas, moderadas e estatisticamente significativas, entre as dimensões: tomada de perspetiva do doente; extroversão; amabilidade; conscienciosidade; e abertura. Verificaram-se diferenças estatisticamente significativas nas dimensões extroversão e compaixão, para a variável socioprofissional Género, obtendo-se pontuações mais elevadas nos homens, na extroversão e nas mulheres, na compaixão. Conclui-se  que os enfermeiros demonstram níveis altos nas dimensões da empatia. A empatia enquanto competência multidimensional, permite ao enfermeiro compreender sentimentos, necessidades e perspetivas dos doentes. No campo da saúde, é essencial para a prática profissional. Propomos a inclusão de um programa específico para a capacitação dos estudantes, pois irá ter impacto na satisfação e na qualidade dos cuidados prestados.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Ana Galvão, Universidad de Extremadura

Instituto Politécnico de Bragança; IUCISA: E
Bragança, Portugal

Maria José Gomes, Instituto Politécnico de Bragança; IUCISA: E Bragança, Portugal

Instituto Politécnico de Bragança; IUCISA: E
Bragança, Portugal

Fernando Pereira, Instituto Politécnico de Bragança; CIIE Bragança, Portugal

Instituto Politécnico de Bragança; CIIE
Bragança, Portugal

Citas

Aguiar, P., Salgueira, A., Frada, T., & Costa, M. J. (2009). Empatia Médica: tradução, validação e aplicação de um instrumento de medição. X Congresso Internacional Galego-Português de Psicopedagogia, 3705–3716.

Bishara, A. J., & Hittner, J. B. (2012). Testing the significance of a correlation with nonnormal data: Comparison of Pearson, Spearman, transformation, and resampling approaches. Psychological Methods, 17(3), 399–417. https://doi.org/10.1037/a0028087

Chalifour, J. (2008). A intervenção terapêutica: os fundamentos existencial-humanistas da relação de ajuda.

Lusodidacta.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. Erlbaum. https://doi.org/10.1111/1467-

ep10768783

Ghasemi, A., & Zahediasl, S. (2012). Normality tests for statistical analysis: A guide for non-statisticians. International Journal of Endocrinology and Metabolism, 10(2), 486–489.

Goleman, D. (1995). Emotional intelligence. Bantam.

Hojat, M., Gonnella, J. S., Nasca, T. J., Mangione, S., Vergare, M., & Magee, M. (2002). Physician empathy: Definition, components, measurement, and relationship to gender and specialty. American Journal of Psychiatry, 159(9), 1563–1569. https://doi.org/10.1176/appi.ajp.159.9.1563

Hojat, M., Mangione, S., Nasca, T. J., Cohen, M. J. M., Gonnella, J. S., Erdmann, J. B., Veloski, J., & Magee, M. (2001). The Jefferson Scale of Physician Empathy: Development and preliminary psychometric data. Educational and Psychological Measurement, 61(2), 349–365. https://doi.org/10.1177/00131640121971158

John, O., Donahue, E., & Kentle, R. (1991). The Big Five Inventory - Versions 4a and 54. Journal of Research in Personality, 37(6), 504–528. https://doi.org/10.1016/S0092-6566(03)00046-1

Martins, S., Galvão, A., & Pinheiro, M. (2017). Social entrepreneurship, psychological coaching as a developer of competences. III Congresso Ibero-Americano de Empreendedorismo, Energia, Ambiente e Tecnologia

Social, 413–418.

Mcdonald, N. M., & Messinger, D. S. (2011). The Development of Empathy : How, When, and Why. Em A. Acerbi, J. A. Lombo, & J. J. Sanguineti (Eds.), Moral Behavior and Free Will: A Neurobiological and Philosophical Aprroach (pp. 341–368). If Press.

Ordem dos Enfermeiros. (2011). Regulamento do Perfil de Competências do Enfermeiro de Cuidados Gerais. Ordem dos Enfermeiros.

Peplau, H. E. (1997). Peplau’s theory of interpersonal relations. Nursing Science Quarterly, 10(4), 162–167. https://doi.org/10.1177/089431849701000407

Qualls, M., Pallin, D. J., & Schuur, J. D. (2010). Parametric versus nonparametric statistical tests: The length of stay example. Academic Emergency Medicine, 17(10), 1113–1121. https://doi.org/10.1111/j.1553-2712.2010.00874.x

Rey, L., & Extremera, N. (2014). Positive psychological characteristics and interpersonal forgiveness: Identifying

the unique contribution of emotional intelligence abilities, Big Five traits, gratitude and optimism. Personality and Individual Differences, 68(May), 199–204. https://doi.org/10.1016/j.paid.2014.04.030

Rogers, C. R. (1975). Empathic: An Unappreciated Way of Being. The Counseling Psychologist, 5(2), 2–10. https://doi.org/10.1177/001100007500500202

Sullivan, G. M., & Feinn, R. (2012). Using Effect Size - or Why the P Value Is Not Enough. Journal of Graduate Medical Education, 4(3), 279–282. https://doi.org/10.4300/JGME-D-12-00156.1

Thode, H. C. (2002). Testing for Normality. Marcel Dekker, Inc.

Van Hoek, G., Portzky, M., & Franck, E. (2019). The influence of socio-demographic factors, resilience and stress reducing activities on academic outcomes of undergraduate nursing students: A cross-sectional research study. Nurse Education Today, 72(July 2018), 90–96. https://doi.org/10.1016/j.nedt.2018.10.013

Watson, J. (1979). Nursing: The philosophy and science of caring. Nursing administration quarterly, 3(4), 86–87.

Winkens, B., Engelen, G. J. J. A., Verhey, F. R. J., Schols, J. M. G. A., Collet, J., & de Vugt, M. E. (2017). Wellbeing of nursing staff on specialized units for older patients with combined care needs. Journal of Psychiatric and Mental Health Nursing, 25(2), 108–118. https://doi.org/10.1111/jpm.12445

World Medical Association. (2013). World Medical Association Declaration of Helsinki Ethical Principles for Medical Research Involving Human Subjects (Vol. 310, Número 20, pp. 2191–2194). World Medical Association. https://doi.org/10.3917/jib.151.0124