Impacto da questão “quanto tempo me resta de vida?” numa estudante de pós-graduação em cuidados paliativos

Contenido principal del artículo

Joana Amorim
Goreti Mendes
Paula Encarnação

Resumen

A formação avançada em Cuidados Paliativos possibilita o desenvolvimento de competências específicas nos estudantes. Objetivos: relatar a experiência vivenciada por uma estudante de pós-graduação, durante o seu estágio integrada numa equipa intra-hospitalar de suporte em cuidados paliativos (EIHSCP), a qual foi interpelada por um doente: “Quanto tempo me resta de vida?” e promover a reflexão sobre a angústia espiritual do doente e quais as ferramentas de gestão emocional que o enfermeiro necessita ter para, com perícia, gerir as emoções. Procedimento: Estudo descritivo, do tipo relato de experiência. A vivência descrita baseia-se na observação e registos efetuados durante seis visitas realizadas pela estudante e EIHSCP. Foi priorizado o relato das experiências na 1ª, 2ª, 3ª e 6ª visita, pela relevância dos dados. Os princípios éticos, inerentes ao relato da experiência, foram respeitados. Resultados: Doente do sexo masculino, em fim de vida, com adenocarcinoma pulmonar em estadio IV. Na primeira e restantes visitas manifestou vontade de ir para casa. A estudante desenvolveu o sentido de observação, utilizou a escuta ativa e o silêncio terapêutico. Na 2ª visita, foi abordada a possibilidade do apoio espiritual cristão. Esta abordagem despertou no doente a questão de âmbito espiritual “quanto tempo me resta de vida?”. A estudante confrontou-se com sentimentos de compaixão, medo e angústia espiritual, necessitando de desenvolver a autorreflexão. Na 3ª visita, houve a conferência familiar e a mãe do doente colocou a mesma questão. A estudante utilizou as ferramentas de consciencialização para com a família. Na 6ª visita, o doente continuava a perguntar “quanto tempo me resta?”, manifestando angústia por não se ter despedido da família e amigos. A estudante desenvolveu a compaixão, mantendo o conforto psico-espiritual do doente. Conclusão: A aprendizagem diferenciada em cuidados paliativos, dota o enfermeiro de ferramentas capazes de manter um cuidado humanizador para além das intervenções meramente tecnicistas.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Apóstolo, J. L. A., Batista, A. C. M., Macedo, C. M. R., & Pereira, E. M. (2006). Sofrimento e conforto em doentes submetidas a quimioterapia. Revista de Enfermagem Referência, 2(3), 56–64. http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=388239950006

Baer, R. A., Smith, G. T., Hopkins, J., Krietemeyer, J., & Toney, L. (2006). Using self-report assessment methods to explore facets of mindfulness. Assessment. https://doi.org/10.1177/1073191105283504

Brown, K. W., & Ryan, R. M. (2003). The Benefits of Being Present: Mindfulness and Its Role in Psychological Well-Being. In Journal of Personality and Social Psychology. https://doi.org/10.1037/0022-3514.84.4.822

Cabaço, S. R., Caldeira, S., Vieira, M., & Rodgers, B. (2018). Spiritual Coping: A Focus of New Nursing Diagnoses. International Journal of Nursing Knowledge, 29(3), 156–164. https://doi.org/10.1111/2047-3095.12171

Catanzaro, A. M., & McMullen, K. A. (2001). Increasing nursing students’ spiritual sensitivity. Nurse Educator, 26(5), 221–226. https://doi.org/10.1097/00006223-200109000-00011

Costa, A., P.; Poles, K. & Silva, E. (2016). Formação em cuidados paliativos: experiência de alunos de medicina e enfermagem. Interface (Botucatu), 20 (59):1041-52. https://doi.org/10.1590/1807-57622015.0774

Delio, I. (2020). Suffering and Sacrifice in an Unfinished Universe: The Energy of Love. Religions, 11(7), 335. https://doi.org/10.3390/rel11070335

Gamondi, C., Larkin, P., & Payne, S. (2013). Competências Centrais em Cuidados Paliativos: um guia orientador da EAPC sobre educação em Cuidados Paliativos. European Journal of Palliative Care, 20, (2), 86-91. https://pt.scribd.com/document/267428947/Guia-Profissional-Eapc.

Ghanizadeh, A., Al-Hoorie, A. H., & Jahedizadeh, S. (2020). Mindfulness. In Second Language Learning and Teaching. https://doi.org/10.1007/978-3-030-56711-8_7

Gottlieb, L. (2016). O Cuidar em Enfermagem Baseado nas Forças (1st ed.). Springer Publishing Company.

Hofmann, S. G., Grossman, P., & Hinton, D. E. (2011). Loving-kindness and compassion meditation: Potential for psychological interventions. In Clinical Psychology Review. https://doi.org/10.1016/j.cpr.2011.07.003

Köche, J. C. (2011). Fundamentossde Metodologia Científica - Teoria da Ciência e iniciação à pesquisa (1a, Vol. 1). Petrópolis, RJ: Vozes Ltda. http://www.vozes.com.br

Maciel, E. A. (2013). O potencial de reconstrução da autonomia no autocuidado : estudo exploratório acerca da sua concretização numa amostra de clientes, três meses após a alta hospitalar. https://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/9453

Martins, M. C. (2010). Aliviando o sofrimento: o processo de acompanhamento de enfermagem ao doente em final de vida [Universidade de Lisboa]. https://repositorio.ul.pt/handle/10451/3185

Meletti, S., Cantalupo, G., Benuzzi, F., Mai, R., Tassi, L., Gasparini, E., Tassinari, C. A., & Nichelli, P. (2012). Fear and happiness in the eyes: An intra-cerebral event-related potential study from the human amygdala. Neuropsychologia, 50(1), 44–54. https://doi.org/10.1016/j.neuropsychologia.2011.10.020

Organização Mundial de Saúde. (2014). Global Atlas of Palliative Care at the end of life. http://www.who.int/nmh/Global_Atlas_of_Palliative_Care.pdf

Peres, M. F. P., Arantes, A. C. D. L. Q., Lessa, P. S., & Caous, C. A. (2007). Incorporating spirituality and religiosity in pain management and palliative care. In Revista de Psiquiatria Clinica (Vol. 34, Issue SUPPL. 1, pp. 82–87). UNIV SAOPAULO. https://doi.org/10.1590/S0101-60832007000700011

Silva, M.J.P., & Araujo, M.M.T. (2009) Sentido da comunicação em cuidados paliativos. In Academia Nacional de Cuidados Paliativos. Manual de Cuidados Paliativos (pp. 49-57). Rio de Janeiro: Diagraphic.

Sutton, A. (2016). Measuring the effects of self-awareness: Construction of the self-awareness outcomes questionnaire. Europe’s Journal of Psychology. https://doi.org/10.5964/ejop.v12i4.1178

Vieira, M. (2017). Ser enfermeiro: da compaixão à proficiência (3rd ed.). Universidade Católica Portuguesa.