O uso do Facebook e as emoções experienciadas pelas crianças na óptica dos seus professores

Contenido principal del artículo

Lilian da Silva Moreira
Zélia Anastácio
Altina Ramos

Resumen

Atualmente a rede social mais visitada em todo o mundo é o Facebook. Além de nos permitir ter um perfil pessoal podemos partilhar fotos, vídeos, mensagens e outros ficheiros. No Facebook também é permitido criar grupos fechados onde os seus membros podem interagir através de mensagens escritas, de áudio, de vídeo e/ou imagens. Tanto esta rede social quanto os grupos dentro da mesma podem ser usados de forma indevida, mas, por outro lado, também podem ser utilizados para aprender, aprender a fazer, conhecer, desenvolver a linguagem escrita e outras competências.

O nosso estudo teve como objetivo conhecer a perceção de educadores de infância e professores de primeiro ciclo do ensino básico relativamente ao uso do Facebook por parte das crianças, bem como às emoções que as crianças manifestam neste uso. Foi um estudo transversal, para o qual construímos e validámos um questionário específico, com questões fechadas sobre o uso da respetiva rede social. O instrumento foi disponibilizado e preenchido online através do Google Forms. A amostra foi de conveniência, tendo sido constituída por 75 indivíduos (69 mulheres, 6 homens) com idades compreendidas entre os 25 e os 56 anos.

Os resultados evidenciam que os professores e educadores discordam essencialmente que as crianças aceitem pedidos de amizade e comuniquem pelo chat do Facebook com pessoas que não conhecem, concordando mais que usem para comunicar com familiares e amigos, para aderir a grupos com o objetivo de aprender e que permitem o acesso dos adultos à sua conta. No respeitante as emoções e sentimentos registou-se maior discordância quanto ao facto de as crianças preferirem estar no Facebook do que na presença dos seus amigos e de se sentirem dependentes do uso do mesmo. Porém, observou-se o maior nível de concordância para o facto de ficarem aborrecidas se as obrigarem a sair do Facebook.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Lilian da Silva Moreira, Instituto de Educação - Universidade do Minho

Lilian Moreira doutorando do programa de Ciências da Educação - Especialidade em Tecnologia Educativa com bolsa de investigação da FCT

Citas

Amante, L. (2014). Facebook e novas sociabilidades. Em C. Porto, & E. Santos, Facebook e Educação: Publicar, curtir e compartilhar (1ª ed., pp. 27-46). Campina Grande, Brasil: EDUEPB.

Brown, A. & Dowling, P. (1998). Doing Research/Reading Research. A Mode of Interrogation for Education. London: Falmer Press.

Castells, M. (2005). A sociedade em rede: do conhecimento à política. Em M. Castells, & O. G.Cardoso, A sociedade em rede do conhecimento à acção política (pp. 17-30). Lisboa, Portugal: Imprensa Nacional-Casa da Moeda.

Castells, M. (1996). La Era de La Información. Economia, Sociedad y Cultura. La Sociedad Red (Vol. 1). Madrid: Ed. Alianza.

Coll, C., Bustos, A., & Engel, A. (2010). As comunidades Virtuais de aprendizagem. In C. Coll, & C. Monereo, Psicologia da Educação Virtual - Aprender e Ensinar com as Tecnologias da Informação e da Comunicação. Porto Alegre: Artmed.

Dias, P. (22 e 23 de 07 de 2001). Comunidades de Conhecimento e Aprendizagem Colaborativa - Prof2000. Obtido em 10 de 12 de 2012, de http://www.prof2000.pt/users/mfflores/teorica6_02.htm

Kirkpatrick, D. (2011). O Efeito Facebook (Babel ed.). Lisboa: Arcádia.

Lewis, D., & Allan, B. (2005). Virtual Learning Comunities. A Guide for Practicioners. London: Open University Press.

Moreira, J. A., & Januário, S. (2014). Redes sociais e educação: reflexões acerca do Facebook enquanto espaço de aprendizagem. Em E. Santos, & C. Porto, Facebook e Educação: Publicar, curtir e compartilhar (pp. 67-84). Campina Grande, Brasil: EDUPEB.

Peres, P., & Pimenta, P. (2011). Teorias e Práticas de B-Learning. Lisboa: Edições Sílabo.

Piscitelli, A., Adaime, I., & Binder, I. (Maio de 2010). El Proyecto Facebook y la posuniversidad. Sistemas operativos sociales y entornos abiertos de aprendizaje. Obtido em 12 de Janeiro de 2012, de http://www.fundacion.telefonica.com/es: http://www.fundacion.telefonica.com/es/arte_cultura/publicaciones/detalle/4

Salmom, G. (2005). E-Moderating: The Key to Teaching and Learning Online. London and New York: RoutledgerFalmer.

Shumar, W., & Renninger, A. K. (2002). Conceptualizing Community. In A. K. Renninger, & W. (. Shumar, Building Learning communities. Learning and change in cyberspace (pp. 1-17). Cambridge: Cambridge Universtiy Press.

Silva Filho, A. M. (2010). Redes Sociais na Era da Conectividade. Revista Espaço Académico, 10(15), pp. 64-68.

Turkle, S. (1997). A vida no ecrã - A Identidade na Era da Internet. Lisboa: Relógio D'Água.