Violência no namoro, adaptabilidade e coesão familiar em estudantes do ensino superior

Contenido principal del artículo

Paula Alexandra Nelas
Claudia Chaves
Emilia Coutinho
Carla Cruz
Odete Amaral

Resumen

Enquadramento: A violência no namoro é um problema grave, pela prevalência e consequências ao nível da saúde física e mental.

Objetivos: Analisar que variáveis sociodemográficas e académicas interferem nos comportamentos de violência no namoro dos estudantes do ensino superior e determinar o modo como a adaptabilidade e coesão familiar interferem nas práticas e comportamentos de violência no namoro.

Participantes: A amostra é constituída por 820 estudantes do ensino superior (idade média 20.48 anos, Dp=2.51).

Método: É um estudo quantitativo, descrito-correlacional e transversal. O protocolo de investigação é um questionário. Permitiu caracterizar a amostra socio demograficamente, ao nível das Práticas e Comportamentos de Violência no Namoro com a Escala de Dixe, Rodrigues, Freire et al., 2010 e a Adaptabilidade e Coesão Familiar com a Escala de Tribuna, 2000.

Resultados: É uma amostra maioritariamente feminina (69.4%), predominam os estudantes solteiros (57.2%), 46.2% frequentam um curso na área da tecnologia e 52.5% frequenta um curso na área da saúde. O sexo, o estado civil e o curso interferem nos comportamentos de violência no namoro. São os estudantes do sexo masculino, do curso na área da tecnologia e a frequentar o 1º ano que manifestam mais comportamentos de violência no namoro, sobretudo a violência stalking e a violência psicológica. A adaptabilidade e a coesão familiar não se mostraram significativas na violência física e sexual, stalking e violência psicológica.

Conclusão: Face aos resultados propomos a implementação de programas (debates e fóruns) contra a violência no namoro, nas escolas, focalizados na prevenção primária.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Paula Alexandra Nelas, Instituto Politécnico de Viseu

PhD Professor

Professor Adjunto na Escola Superior de Saúde de Viseu, Portugal

Citas

Caridade, S., & Machado, C. (2010). Novas formas de vitimação criminal. Loures: Psiquilibrios edições.

Caridade, S., & Machado, C., & Vaz, F. (2007). Violência no namoro: Estudo exploratório com jovens estudantes. Psychologica, 46, 197-214.

Caridade, S., Saavedra, R., & Machado, C. (2012). Práticas de prevenção da violência nas relações de intimidade juvenil: Orientações gerais. Análise Psicológica, 30(1-2), 131-142. Acedido em http://repositorio.ispa.pt/handle/10400.12/3411

Dixe, M. A. C. R., Rodrigues, A. L., Freire, C., Rodrigues, G., Fernandes, M., & Dias, T. (2010). A violência de género na relação de namoro em estudantes do ensino euperior: Práticas e comportamentos de violência. In Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia (pp. 1589-1599). Acedido em http://www.actassnip2010.com

Duarte, M. N. (2011). Violência no namoro: Campanha gráfica de sensibilização no âmbito do espaço escolar (Dissertação de mestrado, Universidade Técnica de Lisboa). Acedido em http://www.repository.utl.pt/handle/10400.5/4711

Freitas, G. (2012). Mulheres sobreviventes de violência conjugal, perspetivas sobre o início de novas relações (Dissertação de mestrado, Universidade dos Açores). Acedido em http://repositorio.uac.pt/handle/10400.3/1968

Guerreiro, A., Pontedeira, C., Sousa, B., Magalhães, M. J., Oliveira, E., & Ribeiro, P. (2014). Intimidade e violência no namoro: refletir a problemática nos/as jovens. Cescontexto, 10, 14-26. Acedido em https://repositorio-aberto.up.pt/bitstream/10216/78885/2/115603.pdf

Lehrer, J. A., Lehrer, E. L., & Zhao, Z. (2009). Physical and psychological dating violence in young men and women in Chile: results from a 2005 survey of university students. International Journal of Injury Control and Safety Promotion, 16 (4), 205-214. DOI:10.1080/17457300903307003.

Maas, C. D., Fleming, C. B., Herrenkhol, T. I., & Catalano, R. F. (2010). Childhood predictors of teen dating violence victimization. Violence and Victims, 25, 131-149.

Machado, C., Matos, M., & Moreira, A. I. (2003). Violência nas relações amorosas: Comportamentos e atitudes na população universitária. Psychologica, 33, 69-83.

Martins, J. F. (2013). Stalking como forma de violência nas relações de namoro. (Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz). Acedido em http://comum.rcaap.pt/handle/10400.26/6243

Matos, M., Machado, C., Caridade, S., & Silva, M. J. (2006). Prevenção da violência nas relações de namoro: intervenção com jovens em contexto escolar. Psicologia: Teoria e Prática, 8, 55-75.

Mendes, J. M., Duarte, M., Araújo, P. & Lopes, R. (2013). Violência e relações de intimidade no ensino superior em Portugal: Representações e práticas. Teoria & Sociedade, 21(1), 87-111. Acedido em https://www.ces.uc.pt/myces/UserFiles/livros/1097_Artigo_Teoria%20e%20Sociedade_30.01.pdf

Moura, G. A. (2012). Violência no namoro e estilos parentais na adolescência: Compreensão das atitudes face à violência nas relações de namoro em adolescentes e a relação com a sua perceção dos estilos parentais (Dissertação de Mestrado, Instituto Superior de Psicologia Aplicada). Acedido em http://repositorio.ispa.pt/handle/10400.12/2280

Mourão, A. R. (2014). O duplo padrão sexual e a sua relação com a violência nas relações amorosas esporádicas dos/as jovens portugueses (Dissertação de Mestrado, Instituto Universitário da Maia). Acedido em http://repositorio.ismai.pt/bitstream/10400.24/333/1/TESE%20Ana%20Rita%20Mour%C3%A3o.pdf

Organização Mundial de Saúde. (2010). Prevenção da violência sexual e da violência pelo parceiro íntimo contra a mulher: Ação e produção de evidência. São Paulo: Organização Pan-Americana da Saúde. Acedido em http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/44350/3/9789275716359_por.pdf

Paiva, C., & Figueiredo, B. (2004). Abuso no relacionamento íntimo: estudo da prevalência em jovens adultos portugueses. Psychologica, 36, 75-107.

Saavedra, V., & Machado, C. (2012). Programas de prevenção primária da violência nos relacionamentos íntimos: Da prática internacional à prática nacional. Revista de Psicologia da Criança e do Adolescente, 4(1), 65-93. Acedido em http://repositorio.ulusiada.pt/bitstream/11067/962/1/rpca_v4_n1_4.pdf

Simonelli, C. J., Mullis, T., Elliott, A. N., & Pierce, T. W. (2002). Abuse by siblings and subsequent experiences of violence within the dating relationship. Journal of Interpersonal Violence, 17, 103-121.

Tribuna, M. F. (2000). Famílias de acolhimento e vinculação na adolescência (Dissertação de Mestrado). Coimbra: Instituto Superior Miguel Torga.

Wekerle, C., & Tanaka, M. (2010). Adolescent dating violence research and violence prevention: An opportunity to support health outcomes. Journal of Aggression, Maltreatment & Trauma, 19(6), 681-698. DOI: 10.1080/ 10926771.2010.502097.