Literacia em saúde mental positiva nos enfermeiros de cuidados de saúde primários

Contenido principal del artículo

Amadeu Gonçalves
Lídia Cabral
Carla Cruz
Cláudia Chaves
Carlos Sequeira
José Figueiredo Rodrigues

Resumen

Introdução: A literacia em saúde mental é fundamental para o reconhecimento de problemas de saúde mental e intervenção precoce. A sua avaliação é importante para identificar deficits de conhecimento sobre a saúde/doença mental e ajudar na definição de programas de intervenção para a promover a literacia em saúde mental, bem como para a avaliação dessas intervenções. Objetivos: Identificar que variáveis sociodemográficas e contextuais à história de doença e comportamentos de saúde interferem na saúde mental positiva dos enfermeiros doscuidados de saúde primários;verificarseexisterelação entrealiteraciaem saúde mentaleasaúde mental positiva dos enfermeiros dos cuidados de saúde primários. Métodos: Estudo transversal, descritivo-correlacional e de natureza quantitativa numa amostra de 89 enfermeiros a exercerem funções num agrupamento de centros de saúde da região centro de portugal (ACES-Dão Lafões). O instrumento de colheita de dados incluiu um questionário com questões relativas á caracterização sociodemográfica, história de doença mental e comportamentos de saúde. A Escala de Literacia em Saúde Mental (O Conner et al., 2015) adaptada e validada para a população portuguesa por Loureiro e Carvalho (2018), Questionário de Saúde Mental Positiva traduzido e adaptado para a população portuguesa por Sequeira, Carvalho, Sampaio, Sá, Lluch-Canut e Roldán-Merino (2014) e a Escala O que é importante para uma boa saúde mental? (Chaves, Sequeira & Duarte, 2019). Resultados: Os resultados do estudo mostram um predomínio do género feminino (82,0%), com uma idade média de 45,60±8,43 anos. Pela ordenação dos valores da média os enfermeiros da amostra possuem níveis elevados de literacia em saúde mental (67,06±7.73). Os valores médios mais elevados foram encontrados nas dimensões: Reconhecimento e auto ajuda apropriada (M=71,34±10,58) e Conhecimento sobre apoio profissional disponível (M=68.41±16.74). A análise da relação entre a saúde mental positiva e a literacia em saúde mental revela que os enfermeiros com literacia crítica apresentam melhores níveis de saúde mental positiva. As variáveis Preditores da saúde mental positiva foram: O sexo masculino, idade, os anos de experiência profissional, as horas de sono e todas as dimensões da literacia em saúde mental que explicam 24,8% da variação. Conclusão: Os enfermeiros que participaram no estudo possuem níveis elevados de Literacia em Saúde Mental (Literacia Critica), com associações positivas e significativas com a saúde mental positiva. Esta investigação, mostra algumas das implicações que podem resultar de baixos níveis de literacia em saúde mental, podendo impedir o reconhecimento precoce dos sintomas e adiar a procura de ajuda. Os resultados encontrados trazem contributos importantes para a criação de programas de intervenção em literacia em saúde mental nos profissionais dos cuidados de saúde primários. Investir nesta área, junto dos enfermeiros que prestam cuidados de proximidade (CSP) aumenta a eficácia das suas intervenções de promoção da saúde mental. 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Ad Hoc Committee on Health Literacy for the Council on Scientific Affairs of the American Medical Association (1999, 11 de Fevereiro). Health literacy: Report of the council on scientific affairs. Journal of the American Medical Association. doi:10.1001/jama.281.6.552.

Barry, M.M. (2009). Addressing the determinants of positive mental health: Concepts, evidence and practice. International Journal of Mental Health Promotion, 11, 4–17. DOI: https://doi.org/10.1080/ 14623730.2009.9721788.

Bjørnsen HN, Ringdal R, Espnes GA, Eilertsen MB, Moksnes UK. Exploring MEST: a new universal teaching strategy for school health services to promote positive mental health literacy and mental wellbeing among Norwegian adolescents. BMC Health Serv Res. 2018;18(1):1001. Published 2018 Dec 29. doi:10.1186/s12913-018-3829-8

Bjørnsen, H. N., Ringdal, R., Espnes, G. A., & Moksnes, U. K. (2017). Positive mental health literacy: Development and validation of a measure among Norwegian adolescents. BMC Public Health, 17, 717. http://dx.doi.org/10.1186/s12889-017- 4733-6.

Cabral, L,., & Florentim, R. (2015). Saúde Mental dos Enfermeiros nos Cuidados de Saúde Primários. Millenium, 49 (jun/dez), 195-216. Acedido em https://www.ipv.pt/millenium/Millenium49/11.pdf

Carvalho, D. de., Querido, A., Tomás, C., Gomes, J., & Cordeiro, M. (2019). A saúde mental dos enfermeiros: um estudo preliminar. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental; (21), 47-52. Acedido em http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0237

Centro de Investigação Interdisciplinar em Saúde” (CIIS) da Escola de Enfermagem de Lisboa da Universidade Católica Portuguesa (2018). Apresentação do estudo “A Saúde Mental dos Enfermeiros Portugueses”. Acedido em https://ics.lisboa.ucp.pt/news/apresentacao-dos-estudo-saude-mental-dos-enfermeiros-portugueses-7126

Direção-Geral da Saúde. (2015). Plano nacional de saúde: Revisão e extensão a 2020. Acedido em: https://pns.dgs.pt/pns-revisao-e-extensao-a-2020

England leads the National Health Service England. (2019). Enabling people to make informed health decisions: Health Literacy. Acedido em https://www.england.nhs.uk/ourwork/patient-participation/health-decisions/

Jorm, A.F. (2015). Why we need the concept of “mental health literacy”. Health Commun.; 30, 1166–8.

Kaur, S., Thapar, K., Saini, P. et al. (2016). Myths & Misconceptions of Mental Illness and Health Seeking Behaviour of Adults. International Journal of Community Health and Medical Research, Vol.2, 3, 3-9. DOI:10.21276/ijchmr.2016.2.3.02

Lakdawala, B.M., & Vankar, G.K. (2016). A study on community attitudes towards the mentally ill among youth in Gujarat. Indian J Mental Health; 3(4), 473–85.

Lluch, M. T. (2008). Concepto de salud mental positiva: Factores relacionados. In J. Fornes, y J. Gómez (coord.), Recursos y programas para la salud mental. Enfermería psicosocial II, 37-69.

Loureiro, A.C. (2018). Literacia e saúde mental positiva: Tradução e validação de um instrumento de avaliação em literacia de saúde mental. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem do Porto. Acedido em https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/25783/1/Literacia%20e%20SMP.pdf

Loureiro, L.M.J. (2015). Questionário de Avaliação da Literacia em Saúde Mental – QuALiSMental: estudo das propriedades psicométricas. Revista de Enfermagem Referência, Série IV - n.° 4 - jan./fev./mar. 2015, 79-88. Acedido em http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIVn4/serIVn4a09.pdf

Murcho, N., Pacheco, E., & Jesus, S.N. de (2016). Transtornos mentais comuns nos cuidados de saúde primários: um estudo de revisão. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental; 15, 30-34. http://dx.doi.org/10.19131/rpesm.0129

O’Connor, M., Sanson, A.V., Toumbourou, J.W., Norrish, J., & Olsson, C.A. (2017). Does positive mental health in adolescence longitudinally predict healthy transitions in young adulthood? Journal of Happiness Studies, 18(1), 177–198 DOI: https://doi.org/10.1007/s10902-016-9723-3

Oliveira, S.V. (2013). A qualidade de sono dos enfermeiros. Universidade Fernando Pessoa. Faculdade de Ciências de Saúde. Acedido em https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/4056/1/Projecto%20Gradua%C3%A7%C3%A3o.pdf

Pedro, A. R.; Amaral, O., & Escoval, A. (2016). LS, dos dados à ação: Tradução, validação e aplicação do European health literacy survey em Portugal. Revista Portuguesa de Saúde Pública, 34(3), 259-275. doi:http://dx.doi.org/10.1016/j.rpsp.2016.07.002.

Rosa, A., Loureiro, L., & Sequeira, C. (2014). Literaciaem saúde mental deadolescentes: Um estudo exploratório. Revista Portuguesa de Enfermagem de Saúde Mental (Ed. Esp. 1), 125-132.

Sequeira, C.J., Carvalho, C., Gonçalves, A., Nogueira, M.J, Lluch-Canut, T., & Roldán-Merino, J. (2019). Levels of Positive Mental Health in Portuguese and Spanish Nursing Students. Journal of the American Psychiatric Nurses Association; 1-10. DOI: 10.1177/1078390319851569 journals.sagepub.com/home/jap