Contributo da metodologia de cuidado humanitude para a gestão das emoções na pandemia

Contenido principal del artículo

Andréa Temponi dos Santos
Rosa Cândida Carvalho de Melo
Liliana Vanessa Lúcio Henriques
Beatriz Temponi
Amélia Martins
Evaldi Marchi

Resumen

As emoções possuem um forte impacto sobre as nossas percepções, nossas memórias, nossos pensamentos, nossa capacidade de ajuizamento e sobre o nosso comportamento. A compreensão dos comportamentos e das emoções manifestadas pela pessoa cuidada, nomeadamente em situação de fragilidade e de vulnerabilidade, é fundamental para o seu bem-estar, sendo importante a implementação de metodologias de cuidado promotoras de sentimentos positivos, por parte dos cuidadores. O objetivo deste estudo foi descrever as emoções percebidas pela direção de 6 residências para idosos no período de confinamento, devido à pandemia COVID-19, e identificar os contributos da Metodologia de Cuidado Humanitude (MCH) para a gestão dessas emoções. Realizou-se um estudo multicasos descritivo, sendo os dados coletados por meio de entrevistas semiestruturadas, realizadas com um membro da direção técnica de cada uma das residências. Foi realizada análise de conteúdo, aos dados obtidos, seguindo o modelo de Bardin, sendo organizados em categorias e subcategorias. Foram evidenciadas as seguintes emoções negativas: tristeza, apreensão, menosprezo, ansiedade e indignação, percebidas pelas dirigentes, tanto nos profissionais quanto nas pessoas cuidadas no período de confinamento frente à pandemia do COVID-19. Porém, houve a percepção de que a implementação dos principios da MCH, contribuiu para a minimização de emoções negativas e potenciou emoções positivas gerando mais otimismo, confiança e alegria em todos os envolvidos. Torna-se, pois, fundamental apropriação dos principios da MCH, por parte dos cuidadores, facilitadores da interação com a pessoa cuidada, promovendo sentimentos de bem-estar, mesmo em situação de grande vulnerabilidade e fragilidade, como é o caso da pandemia por COVID-19, vivenciada pelos idosos institucionalizados. 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Bardin, L. (2016). Análise de Conteúdo. Edições 70 (3º reimp da 1ª ed). Brasil.

Henriques, L., Dourado, M., Melo, R., & Tanaka, L. (2019). Implementação da Metodologia de Cuidado Humanitude: contribuição para a qualidade da assistência à saúde. Rev. Latino-Am. Enfermagem, 27 (e3123).

Honda, M. et al. (2016). Reduction of behavioral psychological symptoms of dementia by multimodal comprehensive care for vulnerable geriatric patients in an acute care hospital: A case series. Cases Report in Medecine, p. 1-4, 2016. DOI: 10.1155/2016/4813196. Disponível em: https://doi.org/10.1155/2016/4813196.

Martins, A., Araújo, J., & Melo, R. (2017). Estimulação multissensorial durante o cuidado de higiene e conforto. in R. C. Melo, Higiene e Conforto: Da tarefa ao cuidar com Humanitude. Série Monográfica Educação e Investigação em Saúde. Coimbra, Portugal: Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E) Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC), 2017. p. 145-159.

Melo, R. C. C. P. de., Costa, P. J., Henriques, L. V. L., Tanaka, L. H., Queirós, P. J. P., & Araújo, J. P. (2019). Humanitude in the humanization of elderly care: experience re-ports in a health service. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(3),825-29. Epub June 07, 2019. doi: https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0363.

Melo, R. C. C. P. de., Luz, H.A., da., Henriques, L.V.L., & Martins, A. (2020). Como preservar os laços de humanitude em pessoas idosas em situação de Covid-19. (2020b). Revista Científica Internacional RevSALUS, Suplemento nº 2, p. 138, setembro, 2020.

Pereira, F.; Gomes, M. J.; Galvão, A. (2012) - Ética e humanitude no cuidado do idoso. In. Pereira, F. - Teoria e Prática da Gerontologia: Um Guia para Cuidadores de Idosos. 1ª Ed. PsicoSoma.

Phaneuf, M. (2007). Le concept d humanitude: une application aux soins infirmiers généraux. Disponivel na WWW: URL: http://pagesperso-orange.fr/ cec-formation.net/phaneuf.pdf

Plutchik, R. (2002). Emotions and life: Perspectives from psychology, biology and evolution. Washington, DC: American Psychological Association.

Rispali, D. (2003). Conhecer-se melhor para melhorcuidar: umaabordagem do desenvolvimento pessoalem cuidados de enfermagem. Lusociência, Loures.

Simões, M. M. M. (2013). Cuidar em Humanitude: Método de Gineste e Marescotti Aplicado a Pessoas Internadas em Cuidados Continuados [Dissertação de Doutoramento, Programa de Doutoramento em Enfermagem. Universidade Católica Portuguesa, Instituto de Ciências da Saúde]. Disponível em http://repositorio.ucp.pt/handle/10400.14/13913.

Simões, M., Salgueiro, N., & Rodrigues, M. (2012). Cuidar em Humanitude: estudo aplicado em cuidados continuados. Revista de Enfermagem Referência, 6, 81-93. Consultado em 19 dezembro 2020. Disponível em http://www.scielo.mec.pt/pdf/ref/vserIIIn6/serIIIn6a08.pdf .

Teixeira, C. F. de S., Soares, C. M., Souza, E. A., Lisboa, E. S., Pinto, I. C. de M., Andrade, L. R. de., & Espiridião, M. A. (2020). A saúde dos profissionais de saúde no enfrentamento da pandemia de Covid-19. Ciência & Saúde Coletiva, 25(9), 3465-3474. Epub August 28, 2020. doi: https://doi.org/10.1590/1413-81232020259.19562020.

Zhang, J., Wu, W., Zhao, X., & Zhang, W. (2020). Recommended psychological crisis intervention response to the 2019 novel coronavirus pneumonia outbreak in China: a model of West China Hospital. Precision Clinical Medicine, pbaa006. https://doi.org/10.1093/pcmedi/pbaa006.