Emoções na saúde

Contenido principal del artículo

Dora Margarida Ribeiro Machado
Manuel Alberto Morais Brás
Assunção das Dores Lanjeira De Almeida
Laura Juliana vieitas Amorim Pires Costa
Eugénia Maria Garcia Jorge Anes

Resumen

Introdução: A evolução baseada nos progressos da investigação é essencial para a prática, nomeadamente quando falamos em saúde. Contudo, tal facto conduz ao aumento da esperança média de vida e, por conseguinte, a situações de dor e sofrimento prolongado. Por outro lado, inserir-se numa equipa multidisciplinar e trabalhar com utentes significa lidar com emoções variadas e potenciadoras de stress. Face ao exposto, a inteligência emocional,enquanto capacidade para avaliaras próprias emoçõese de outros discernindo o impacto que elas causam e utilizando essa informação para influenciar positivamente o comportamento, apresenta-se como essencial para um desempenho de cuidados humanizados e adequados e para um trabalho bem-sucedido. Objetivos: Este estudo pretende avaliar a importância da inteligência e da competência emocional nos profissionais de saúde. Metodologia: Realizou-se uma pesquisa bibliográfica, operacionalizada na SciELO, na biblioteca do conhecimento online e no Repositório Científico de Acesso Aberto de Portugal, limitada ao hiato temporal 2015-2021, com as seguintes palavras-chave: Profissional de Saúde; Inteligência Emocional. Definiram-se como critérios de inclusão: artigos publicados entre 2015 e 2021; acesso integral ao documento; artigos referentes a estudos quantitativos/qualitativos que retratem a temática pertinente ao objetivo do trabalho; artigos em português, inglês e espanhol. E como critérios de exclusão: artigos quantitativos/qualitativos que não abordem a temática; artigos que se distanciem do tema. Foram encontrados 409 artigos, tendo sido selecionados, após verificação dos critérios deinclusão e deexclusão 7 artigos. Resultados: A inteligência emocional poderá ser útil na gestão de emoções, prevenindo que os sentimentos experimentados se repercutam negativamente nos cuidados prestados (Rebelo & Martins, 2015). Além disso, contribui para um ambiente de trabalho mais agradável, afeta positivamente a satisfação no mesmo (Cavaco, 2015), associa-se ao sucesso profissional, pessoal, afetivo e económico (Júnior, 2018) e protege do Burnout (Cavaco, 2015). Sabe-se que, na sua ausência, a segurança do local de trabalho e dos procedimentos e a satisfação do utente e do profissional não ficam asseguradas (Doas, 2011). Conclusão: Muito embora pese a importância da inteligência emocional na prestação de cuidados em saúde ainda são poucas as investigações na área, a nível nacional (Sousa, 2015). Ainda assim, os estudos encontrados permitem concluir que a humanização, satisfação e segurança dos cuidados implicam um aumento da compreensão das emoções próprias e dos outros, por parte dos profissionais de saúde, pelo que a competência emocional nos mesmos é primordial. 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Cavaco, C. (2015). A RELAÇÃO ENTRE INTELIGÊNCIA EMOCIONAL E O BURNOUT EM MÉDICOS E ENFERMEIROS (Master’s thesis, Universidade do Algarve, Faculdade de Ciências Humanas e Sociais). Retrieved from https://sapientia.ualg.pt/bitstream/10400.1/8648/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o.CatarinaCavaco.pdf

Cruz, C. (2018). A INFLUÊNCIA DA INTELIGÊNCIA EMOCIONAL ENQUANTO FATOR DE PROTEÇÃO NO STRESS: QUE ESPECIFICIDADES NOS PROFISSIONAIS DE SAÚDE? (Master’s thesis). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra, Coimbra.

Goleman, D. (2012). Inteligência Emocional (17ª ed.). Lisboa, Portugal: Círculo de Leitores.

Júnior, J. (2018). Manual de Treinamento em Inteligência Emocional. (Master’s thesis, Universidade José do Rosário Vellano). Retrieved from http://tede2.unifenas.br:8080/jspui/handle/jspui/209

Kozub, E., Brown, L., & Ecoff, L. (2016). Strategies for Sucess: Cultivating Emotional Competence in the Clinical Nurse Specialist Role. AACN Avanced Critical Care, 27(2), 145-151. doi:http://dx.doi.org/10.4037/aacnacc2016771

Martins, M. (2018). Inteligência emocional nos enfermeiros de saúde mental e psiquiatria. (Master’s thesis, Universidade da Beira Interior, Ciências Sociais e Humanas). Retrieved from http://hdl.handle.net/10400.6/9573

Rebelo, A., & Martins, R. (2015). Inteligência Emocional dos Profissionais de Saúde da Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados. Gestão e Desenvolvimento, 23, 67-84. Retrieved from https://doi.org/10.7559/gestaoedesenvolvimento.2015.272

Sousa, F. (2015). INTELIGÊNCIA EMOCIONAL EM GESTORES DE ENFERMAGEM. (Doctoral dissertation, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro). Retrieved from https://docplayer.com.br/36472103-Universidade-de-tras-os-montes-e-alto-douro-fernando-antonio-neto-teixeira-de-sousa-composicao-dojuri.html