A prevenção quaternária e a medicação off label na pandemia covid

Contenido principal del artículo

Júlia Maria Guilherme Ribeiro Antunes

Resumen

A inexistência de terapêutica eficaz para a infeção covid-19, abriu caminho a um empirismo exacerbado de tentativa/erro para encontrar soluções de tratamento a qualquer preço, para deter esta doença que foi e continua a ser mortal , práticamente em todo o Planeta. A proposta de aplicação do princípio da beneficência como fundamentação ao uso de medicamentos off label, no tratamento da COVID-19, parte da necessidade de oferecer ao médico os parâmetros teóricos capazes de fundamentar uma decisão eticamente aceitável, por outro lado o uso indiscriminado de medicamentos off label oferece riscos individuais enormes e sonhos de grandes lucros, com poucos investimentos, para a Big Pharma, configurando estas práticas atuais, necessidade de intervenção da prevenção quaternária, pois a medicalização da sociedade continua a fazer parte do imperialismo sanitário vigente, permitindo a ausência de cuidados com a iatrogenia, bem como, com overdiagnosis, overmedicalization, overtreatment, overscreenings, overinformation, presentes na práxis médica onde a watchful waiting e a demora permitida, constituem velhas formas de atender e cuidar indivíduos e suas famílias.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

AGUIAR, M., & da SILVA, C. M. A. (2020). O PRINCÍPIO DA BENEFICÊNCIA COMO FUNDAMENTO À PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS OFF LABEL NO TRATAMENTO DA COVID-19. Revista Juridica, 5(62), 76-95.

Antunes, J. M. G. R. (2018). Novas lógicas, racionalidaes e contextos na prevençao quaternária. Revista INFAD de Psicología. International Journal of Developmental and Educational Psychology., 4(1), 99-106.

Antunes, J. M. G. R. (2019). A prevenção quaternária e o iceberg das pseudo–doenças, incidentalomas e afins!. International Journal of Developmental and Educational Psychology. Revista INFAD de Psicología., 5(1), 411-416.

Radley, D. C., Finkelstein, S. N., & Stafford, R. S. (2006). Off-label prescribing among office-based physicians. Archives of internal medicine, 166(9), 1021-1026.

Cras, A., Conscience, M. A., Rajzbaum, G., Lillo-Le Louët, A., Lopez, N., Tersen, I., & Bezie, Y. (2007). Off-label prescribing in a French hospital. Pharmacy world & science, 29(2), 97-100.

Childress, J. F. (1998). A principle-based approach.

Beauchamp, T. L., & Childress, J. F. (2002). Princípios de ética biomédica. Edições Loyola.

Garcia, L. P., & Duarte, E. (2020). Intervenções não farmacológicas para o enfrentamento à epidemia da COVID-19 no Brasil.

Paumgartten, F. J. R., & Oliveira, A. C. A. X. D. (2020). Uso off label, compassivo e irracional de medicamentos na pandemia de Covid-19, consequências para a saúde e questões éticas. Ciência & Saúde Coletiva, 25(9),3413-3419.

Souza Filho, B. A. B. D., & Tritany, É. F. (2020). COVID-19: importância das novas tecnologias para a prática de atividades físicas como estratégia de saúde pública. Cadernos de Saúde Pública, 36, e00054420.

World Health Organization. (2002). Promoting rational use of medicines: core components (No. WHO/EDM/2002.3). World Health Organization.

Tritany, R. F., & Tritany, É. F. (2020). Uso Racional de Medicamentos para COVID-19 na Atenção Primária à Saúde. Saúde em Redes, 6(2 Suplem).

Martins, C., Godycki-Cwirko, M., Heleno, B., & Brodersen, J. (2018). Quaternary prevention: reviewing the concept: Quaternary prevention aims to protect patients from medical harm. European Journal of General Practice, 24(1), 106-111.