Consumo de substâncias psicoativas em universitários ...que perceções

Contenido principal del artículo

Olívia Costa Maria
Ana Maria Galvão
Maria José Diez Liébana

Resumen

O uso de substâncias psicoativas por jovens em contexto académico de nível superior permanece uma questão atual e inquietante para a saúde da comunidade. Implícitos a estas problemáticas encontram-se os efeitos nocivos diretos envolvidos, bem como as alterações associadas aos seus estilos de vida. Neste contexto, foi descrito no estudo: “Consumo de sustancias psicoactivas en jóvenes universitarios ... ¿Qué realidad?” como um dos objetivos- Identificar os hábitos de consumo de substâncias psicoativas dos estudantes do Instituto Politécnico de Bragança. Para tal realizou-se um estudo quantitativo, descritivo, correlacional e transversal. Utilizou-se uma amostra (não probabilística) de 392 alunos. Para determinar a existência de uso de substâncias, foi utilizado o DUSI-R (Drug Use Screening Inventory-Revised) (Tarter, 1990). Versão traduzida e adaptada por Rodrigues & Cardoso em 2013. Utilização do SPSS para tratamento dos dados por meio de estatística descritiva e inferencial com nível de significância de 95%. Como resultados temos que, nas dimensões uso de sustâncias e estrutura familiar, existe uma maioria de respondentes com um nível de intensidade considerado normal. Para as restantes dimensões do DUSI-R, a maioria dos respondentes apresenta níveis de intensidade problemáticos. As correlações entre as dimensões da DUSI-R eram negligenciáveis a moderadas. Verifica-se diferença estatisticamente significativa entre os respondentes de acordo com o sexo para as dimensões: uso de substâncias; padrão de comportamento; estrutura familiar; desempenho académico; e, relação com os pares. Nas dimensões uso de substâncias e competências sociais foram detetadas diferenças estatisticamente significativas entre os respondentes de acordo com o já terem iniciado ou não a atividade sexual. Verifica-se diferença estatisticamente significativa entre os respondentes que residem ou não em locais movimentados, para a dimensão estrutura familiar e, por último, existem diferenças estatisticamente significativas entre os respondentes de acordo com se considera ou não pertinente mais ações de sensibilização para as dimensões: uso de substâncias; padrão de comportamento; perturbação mental; estrutura familiar; desempenho académico; e, relação com os pares. Concluindo-se que no que trata o uso de substâncias, de acordo com DUSI-R, em termos globais, os valores médios são superiores a 15, com exceção da dimensão Estrutura Familiar, valor considerado como ponto de corte para o qual os hábitos são considerados problemáticos.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Abraão, I. (1999). “Fatores de risco e fatores de proteção para as toxicodependências: Uma breve revisão.” 5(2), 3–11.

Abuomar, K; Rutten, A; Lehtinen, V. (2004). Mental health and physical activity in the European Union. Soz Praventivmed.

Alexander, T. (2017). Understanding and promoting help-seeking among adolescents. [The University of Western Ontario]. http://ir.lib.uwo.ca/etd/4448

Almeida, L. S., Soares, A. P., Guisande, M. A., & Paisana, J. (2007). Rendimento académico no ensino superior: Estudo com estudantes do 1o ano. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxía e Educación 14(1), 207–220.

Andrade, A. dos S. et al. (2016). Vivências Acadêmicas e Sofrimento Psíquico de Estudantes de Psicologia. Psicol. Cienc. Prof., Brasília , 36(4), 831–846. http://www.scielo.br/pdf/pcp/v36n4/1982-3703-pcp-36-4-0831.pdf%3E Acesso em: 20 mar. 2019

Bellis M. A., Hughes K., L. H. (2002). “Healthy nightclubs and recreational substance use; from a harm minimization to a healthy settings approach.” Addictive Behaviors, 27, 1025–1035.

Bulmer, S. (2015). Correlates and predictors of marijuana use among US undergraduates. Addictive Behaviors, 25(3), 206–217. https://apha.confex.com/apha/143am/webprogram/Paper318939.html

Calado, V. & Lavado, E. (2018). Representações sociais dos comportamentos aditivos.

Calafat, A. et al. (2004). La diversion sin drogas: Utopia y realidade.

Carapinha, L., Guerreiro, C. (2019). Padrões de consumo e problemas ligados ao uso de drogas – Uma análise em função do género. http://www.sicad.pt/PT/EstatisticaInvestigacao/EstudosConcluidos/Paginas/detalhe.aspxitemId=194&lista=SICAD_ESTUDOS&bkUrl=/BK/EstatisticaInvestigacao/EstudosConcluidos

Chung, H., & Furnham, A. (2002). Personality, peer relations, and self-confidence as predictors of happiness and loneliness. Journal of Adolescence, 25, 327–339.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences (2nd ed.). Hillsdale, NJ: Erlbaum. https://doi.org/10.1111/1467-721.ep10768783

Cooney, G. M., Dwan, K., Greig, C. A., Lawlor, D. A., Rimer, J., Waugh, F. R., & Mead, G. E. (2013). Exercise for depression. The Cochrane Database of Systematic.

Costa, P. M. A. da. (2009). Comportamentos de Saúde dos Adolescentes Escolarizados: um estudo efetuado com alunos do 3o ciclo e do ensino secundário. Universidade do Minho.

Cronbach, L. J. (1951). Coefficient alpha and the internal structure of tests. Psychometrika, 16(3), 297–334. https://doi.org/10.1007/BF02310555

Cronbach, L. J. (1988). Internal consistency of tests: Analyses old and new. Psychometrika, 53(1), 63–70. https://doi.org/10.1007/BF02294194

Cunha, S., Esteves, F., Dias, P., & Bento, A. (2005). Conhecimentos, comportamentos e atitudes de jovens, face às bebidas alcoólicas. Revista Da Associação Portuguesa de Nutricionistas, 5, 66–71.

DGS. (2019a). Estilos de Vida Saudável. https://www.dgs.pt/saude-a-az.aspx?v=%3D%3DBAAAAB%2BLCAAAAAAABABLszU0AwArk10aBAAAAA%3D%3D#saude-de-a-a-z/estilos-de-vida-saudavel

DGS. (2019b). Manual de boas práticas literacia em saúde. Capacitação dos Profissionais de saúde. https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/manual-de-boas-praticas-literacia-em-saude-capacitacaodosprofissionais-de-saude-pdf.aspx.

DGS. (2019c). Plano de ação para a literacia em saúde Health literacy action plan Portugal (2019-2020). https://www.dgs.pt/documentos-e-publicacoes/plano-de-acao-para-a-literacia-em-saude-2019-2021-pdf.aspx.

Evangelista, V. D. M. A., Kadooka, A., Pires, M. L. N., & Constantino, E. P. (2018). Padrões e consumo de álcool entre estudantes universitários. Revista Psicologia, Diversidade e Saúde, 7(2), 192.

Fonseca, A. (2005). As grandes tarefas da adolescência são a autonomia e a construção da identidade. 2005.

Fortin, M.-F. (2009). O processo de investigação: Da concepção à realização. Lusociência. https://doi.org/10.1017/S1049096506060264

Fritz, C. O., Morris, P. E., & Richler, J. J. (2012). Effect size estimates: Current use, calculations, and interpretation. Journal of Experimental Psychology: General, 141(1), 2–18. https://doi.org/10.1037/a0024338

Ghasemi, A., & Zahediasl, S. (2012). Normality tests for statistical analysis: A guide for non-statisticians. International Journal of Endocrinology and Metabolism, 10(2), 486–489.

Grácio, J. C. G. (2009). “Determinantes do consumo de bebidas alcoólicas nos estudantes do ensino superior de Coimbra.” Universidade de Coimbra.

Granado, J. I. F., Santos, A. A. A., Almeida, L. S., Soares, A. P., & Guisande, M. A. (2005). Integração acadêmica de estudantes universitários: Contributos para a adaptação e validação do QVA-r no Brasil. Psicologia e Educação, 12, 31–43.

HLS-EU Consortium. (2017). Comparative report of health literacy in eight EU member states. http://www.healthliteracy.eu

Hong, J.S. e Espelage, D. L. (2012). A review of research on bullying and peer victimization in school: An ecological system analysis. Aggression and Violent Behavior, 17, 311–322.

Jordão, I. (2018). “Literacia e suas repercussões nos custos em saúde.” Faculdade de Medicina da Universidade do Porto.

Kickbusch, I. (2004). Improving Health Literacy in the European Union: towards a Europe of informed and active health citizens. European Health Forum Gastein 2004 – Special Interest Session Improving, (October), 1–16.

Leiva et al. (2017). Ejercicio físico y calidad de vida en estudiantes universitarios (Alberto Paramio Leiva, Paloma Gil-Olarte Márquez, Cristina Guerrero Rodríguez, José M. Mestre Navas, Rocío Guil Bozal). Revista de Psicología. http://www.infad.eu/RevistaINFAD/OJS/index.php/IJODAEP/article/view/956

Lomba, L., Mendes, F., & Relvas, J. (2006). Novas Drogas e Ambientes Recreativos (Lusociênci).

Lourenço, A. A. e Paiva, M. O. (2009). Conflitos na escola – a dinâmica da mediação. Psicologia, Educação e Cultura, 12(2), 315–336.

Machado, V. M. (2014). A Juventude camponesa em cena e sua relação com a instituição escolar. Revista Labirinto, 18, 52–67. http://www.periodicos.unir.br/index.php/LABIRINTO/article/viewFile/890/1059

McCabe, L. A. e Brooks-Gunn, J. (2007). With a little help from my friends?: Self-regulation in groups of young children. Infant Mental Health Journal, 28, 584–605.

Mendes, F. & Lopes, M. (2014). “Vulnerabilidades em Saúde: o Diagnóstico dos Caloiros de uma Universidade Portuguesa.” Texto & Contexto Enfermagem, 23(1), 74–82.

Mendes Netto, R. S. et al. (2013). Nível de atividade física e qualidade de vida de estudantes universitários da área de saúde. Revista de Atenção à Saúde (Antiga Rev. Bras. Ciên. Saúde), 10(34).

Moore, D. S., McCabe, G. P., & Craig, B. A. (2009). Introduction to the Practice of Statistics.

Mullins, T. L. K., Widdice, L. E., Rosenthal, S. L., Zimet, G. D., & Kahn, J. A. (2016). Risk Perceptions, Sexual Attitudes, and Sexual Behavior after HPV Vaccination in 11–12 Year-Old Girls. 33(32), 3907–3912.

Mutiso, V. N., Musyimi, C. W., Krolinski, P., Neher, C. M., Musau, A. M., Tele, A., & Ndetei, D. M. (2019). Relationship between Bullying, Substance Use, Psychiatric Disorders, and Social Problems in a Sample of Kenyan Secondary Schools. Prevention Science, 20(4), 544–554. https://doi.org/10.1007/s11121-019-01014-4

Nutbeam, D. (2008). The evolving concept of health literacy. In Social Science and Medicine, 67(12). https://doi.org/10.1016/j.socscimed.2008.09.050

Onwuegbuzie, A., & Leech, N. (2005). On becoming a pragmatic researcher: The importance of combining quantitative and qualitative research methodologies. International Journal of Social Research Methodology: Theory and Practice, 8(5), 375–387. https://doi.org/10.1080/13645570500402447

Pereira, M. M. (2003). Consumo de Álcool na Adolescência e RelaçõesParentais. Interacções. Instituto Superior Miguel Torga, Coimbra, Portugal.

Pillon, S. [et al. . (2004). Modelos Explicativos ao Fenómeno do uso do Álcool e Drogas. Revista Latino-Am Enfermagem, 12(4), 676–682.

Rodrigues, P. J. da R. (2013). Vulnerabilidade ao stress, qualidade do sono, fadiga e consumo de substâncias em estudantes universitários. Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz.

Roeder, M. A. (1999). Benefícios da atividade física para pessoas com transtornos mentais. Revista Brasileira Atividade Física e Saúde.

Romito, P. e Grassi, M. (2007). Does violence affect one gender more than the other? The mental health impact of violence among male and female university students. Social Science & Medicine, 65, 1222–1234.

Ruiz-Cabello, A. (2015). ).” La alfabetización en salud de la población española : variables relacionadas según los resultados del proyecto europeo de alfabetización en salud”. https://digitum.um.es/digitum/bitstream/10201/45841/1/tesis Aurelio Luna Ruiz-Cabello.pdf

Sawilowsky, S. S. (2009). Very large and huge effect sizes. Journal of Modern Applied Statistical Methods, 8(2), 597–599. https://doi.org/10.22237/jmasm/1257035100

Schober, P., & Schwarte, L. A. (2018). Correlation coefficients: Appropriate use and interpretation. Anesthesia and Analgesia, 126(5), 1763–1768. https://doi.org/10.1213/ANE.0000000000002864

Seda, L. F. &. (2017). Factors related to healthy sexual and contraceptive behaviors in undergraduate students at university of Seville: a crosssectional study [University of Seville]. file:///C:/Users/Utilizador/Downloads/Factors_related_to_healthy_sexual_and_contraceptiv (1).pdf

Silva, E. (2012). Álcool e outras drogas. Conselho Regional de Psicologia da 6a Região, São Paulo.

Steinskog, D. J., Tjøstheim, D. B., & Kvamstø, N. G. (2007). A Cautionary Note on the Use of the Kolmogorov– Smirnov Test for Normality. Monthly Weather Review, 135(3), 1151–1157. https://doi.org/10.1175/mwr3326.1

Sullivan, G. M., & Feinn, R. (2012). Using Effect Size—or Why the P Value Is Not Enough. Journal of Graduate Medical Education, 4(3), 279–282. https://doi.org/10.4300/JGME-D-12-00156.1

Tarter, R. E., & Hegedus, A. M. (1991). The Drug Use Screening Inventory. Alcohol Research, 15(1), 354–362.

Tomé, G., Matos, M., & Diniz, A. (2008). Consumo de substâncias e isolamento social durante a adolescência. In M. Matos (Ed.), Consumo de substâncias: Estilo de vida? À procura de um estilo? Lisboa, Portugal: Instituto Da Droga e Da Toxicodependência, 95–126.

Unaids. (2016). Joint United Nations Programme on HIV/AIDS. Report on the global HIV/AIDS epidemic. https://www.unaids.org/sites/default/files/media_asset/global-AIDS-update-2016_en.pdf

Veiga, F. H. (1995). Transgressão e autoconceito dos jovens na escola. Lisboa: Fim de Século.

Who. (2017). National Health Literacy Demonstration Projects (NHLDP) for the Control and Management of NCDs: Concept Note for WHO GCM/NCD Working Group 3.3 on Health Education and Health Literacy for NCDs. http://www.who.int/global-coordination-mechanism/activities/workinggroups/GCM-NCD-Health-Literacy-Demonstration-Projects.pdf?ua=1

World Medical Association. (2013). World Medical Association Declaration of Helsinki Ethical Principles for Medical Research Involving Human Subjects. Journal International de Bioéthique. https://doi.org/10.3917/jib.151.0124