A utilização de tecnologias de suporte ao ensino a distância: perspetivas dos professores

Contenido principal del artículo

Teresa Jesus Santos

Resumen

Tendo presente o isolamento social provocada pela pandemia covid 19, ensinar e aprender só foi possível, através do formato ensino a distância, utilizando os computadores, smarphones, tablets, televisão, internet e plataformas digitais. O ensino presencial foi substituído pela modalidade de ensino a distância, obrigando as escolas a repensarem novos modos de organização curricular, pedagógica e administrativa, com o objetivo de poderem dar continuidade ao processo de ensino e de aprendizagem, junto de todos os alunos. Neste artigo, apresentamos os resultados de um estudo que teve como objetivo principal conhecer as perspetivas de professores da educação pré-escolar e do 1.º ciclo do ensino básico, sobre como foram monitorizadas e avaliadas as aprendizagens, durante a educação a distância. Para isso, foram realizados dois inquéritos por questionário, um para os professores da educação pré-escolar e outro para os professores do 1.º ciclo do ensino básico. Os dados foram recolhidos, através da plataforma Google forms, junto de (n=245) professores dos mesmos níveis de ensino e utilizamos o tratamento estatístico descritivo e inferencial, usando-se o software SPSS para a sua análise. Os resultados apontam que a maioria dos profesores: i) recorreram, ao manual adopado, vídeos, jogos, fichas e às plataformas digitais (facebook, whatsap, classroom,);ii) comunicou regularmente e acompanhou os alunos em todo o processo do ensino a distância com exceção dos alunos com ausência de recursos educativos a nível das Tecnologias Informação e Comunicação (digitais). Na avaliação as evidências avaliativas foram diversificada desde o trabalho individual; fichas; questionários; fotos; vídeos; portefólio; Ensaio/composições /reflexão crítica e outros. Os professores e alunos adaptaram-se a metodologias de trabalho, para mediar o ensino e aprendizagem, através do desenvolvimento de competências digitais.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Alves, J. (2020). Entre o caos e a esperança. In Alves, J. & Cabral. Ensinar e aprender em tempo de COVID 19: entre o caos e a redenção. Universidade Católica Portuguesa. Porto. Consultado em 20 de agosto 2020, disponível em: https://www.dge.mec.pt/noticias/e-book-ensinar-e-aprenderem-tempo-de-covid-19-entre-o-caos-e-redencao

Andrade, A. (2012). Jogos e simuladores. Porto. Consultado em 01 de outubro de 2019, disponível em: http://www.slideshare.net/aandradevalente/jogos-e-simuladores

Carvalho, A. (2012). Web 2.0, educação a distância e o conceito de aprendizagem colaborativa na formação de professores. Consultada em 10 abril de 2012, disponívelem:http://anabeatrizgomes.pro.br/moodle/file.php/1/ARTIGOWEB2.0.pdf

Costa, J. (2021) As escolas fecharam, e a educação não ficou suspensa. Revista Saber & Educar 29/2021: “Escolas encerradas: que educação em tempos de Covid-19?”. Disponível em http://revista.esepf.pt/index.php/sabereducar

Coutinho, C. (2014). Metodologia de investigação em ciências sociais e humanas: Teoria e prática. Lisboa: Almedina.

Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência (DGEEC). (2018). Educação em Números – Portugal 2018. Lisboa: Direção-Geral de Estatísticas da Educação e Ciência.

OCDE, 2019b. TALIS 2018 Results (Volume I): Teachers and School Leaders as Lifelong Learners, TALIS. [Online] Consultada em 20 de março de 2021 Disponível em: http://doi.org/10.1787/1d0bc92a-en.

Comissão Europeia/EACEA/Eurydice, 2019. A Educação Digital nas Escolas da Europa. Relatório Eurydice. Luxemburgo: Serviço das Publicações da União Europeia.

Figueiredo, A. (2020). Os Equívocos da Educação à Distância. Sinal Aberto. Edição de 20 de junho.

Ghiglione, R., & Matalon, B. (2001). O Inquérito. Teoria e Prática. Oeiras: Celta

Hill, M., & hill , A. (2009). Investigação por Questionário. Lisboa: Edições Sílabo.

Nóvoa, A. A pandemia de Covid-19 e o futuro da Educação. Revista Com Censo: Estudos Educacionais do Distrito Federal, [S.l.], (7) 3. 8-12, ago. 2020. ISSN 2359-2494. Disponível em: <http://periodicos.se.df.gov.br/index.php/comcenso/article/view/905>

Palmeirão, C. (2020). Digitais por obrigação. In Alves, J. & Cabral, I. Ensinar e aprender em tempo de COVID 19: entre o caos e a redenção. Universidade Católica Portuguesa. Porto .Consultado em 20 de agosto 2020, disponível em: https://www.dge.mec.pt/noticias/e-book-ensinar-e-aprender-em-tempo-de-covid-19-entre-o-caos-e-redencao

Silva, V. G. (2018) Dos Dispositivos Móveis à Aprendizagem Ubíqua – Da Usabilidade Técnica à Usabilidade Pedagógica. Tese de Doutoramento. Braga. Universidade do Minho. Consultado em 20 de março de 2020, disponível em: http://repositorium.sdum.uminho.pt/handle/1822/60664

Valente, J. A. (2014). Blended learning e as mudanças no ensino superior: a proposta da sala de aula invertida. Educ. rev. [online]. 2014, n.spe4, pp.79-97. ISSN 0104-4060. http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.38645

Verdasca, J. (2021). A escola em tempos de pandemia: narrativas de professores. Revista Saber & Educar 29/2021: “Escolas encerradas: que educação em tempos de Covid-19?”.Disponível em http://revista.esepf.pt/index.php/sabereducar

Jabonero, M. (2020) Covid-19 e as fragilidades estruturais de uma “normalidade” excludente. In Kalache, A. Trilhas da longevidade [livro eletrônico] : desafios diante da pandemia / Alexandre Kalache. — Goiânia, GO : Inteligência Educacional, 2020. — (Série especial de webinários internacionais) PDF. https://oei.int/downloads/disk/