Violência no namoro: impacto de variáveis sociodemográficas académicas e afetivas

Contenido principal del artículo

Paula Nelas
Cláudia Chaves
Emília Coutinho
João Duarte

Resumen

Enquadramento: A violência no namoro é um problema grave, pelas consequências físicas e mentais, pelo impacto nos padrões de relacionamento amoroso futuro e enquanto problema de saúde pública. São objetivos identificar as variáveis sociodemográficas, académicas e afetivas que influenciam a violência no namoro. Tratase de um estudo quantitativo, descritivo-correlacional e transversal, com uma amostra constituída por 429 estudantes, com uma média de idade de 22.11 anos (dp=4.55). Para recolha de dados, utilizou-se o questionário que permitiu fazer a caracterização sociodemográfica, académica e afetiva. Foi ainda incluída a Escala de práticas e comportamentos de vitimização na relação de namoro de Dixe, Rodrigues, Freire, Rodrigues, Fernandes e Dias (2010). Apurou-se que 11.9% é vitima de violência na atual relação de namoro. Os estudantes do sexo masculino, do curso de humanidades e os que já reprovaram, manifestam práticas e comportamentos de vitimização mais frequentes, com diferenças estatisticamente significativas (p<0.05). Os que referem hábitos tabágicos revelam práticas e comportamentos de vitimização mais frequentes (p<0.05). Os estudantes que já iniciaram a vida sexual, que admitem ser vítima de violência na atual relação de namoro, os que já foram vítimas de violência em relações de namoro anterior, os que não têm uma boa relação familiar e não possuem uma boa relação com os amigos, manifestam práticas e comportamentos de vitimização mais frequentes (p<0.05). Recomendamos implementar, nas escolas, ações de sensibilização para comportamentos e práticas de violência no namoro, envolvendo neste âmbito toda a comunidade (estudantes, família e academia). Gabinetes de apoio à vitima, em contexto de academia, também devem ser pensados e estruturados com apoio psicológico e social.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. (2016). Estatísticas APAV: Relatório anual de 2015. Lisboa: APAV.

Barros, C. R. S, & Schairber, L. B. (2017). Intimate partner violence reported by female and male users of healthcare units I. Revista Saude Pública, 51(7). Doi: 10.1590/S1518-8787.2017051006385.

Barros, C., Schraiber, L. B., França-Junior, I. (2011). Association between intimate partner violence against women and HIV infection. Revista Saúde Pública, 45(2), 365-372.

Centers for Disease Control and Prevention. (2016). Injury prevention and control division of violence prevention understanding teen dating violence. Acedido em https://www.cdc.gov/violenceprevention/pdf/teen-datingviolence-factsheet-a.pdf.

Dixe, M. A. C. R., Rodrigues, A. L., Freire, C., Rodrigues, G., Fernandes, M., & Dias, T. (2010). A violência de género na relação de namoro em estudantes do ensino superior: Práticas e comportamentos de violência (pp. 1589-1599). In Actas do VII Simpósio Nacional de Investigação em Psicologia. Braga: Universidade do Minho.

Duarte, C. R. S. da (2019). Violência no namoro: Taxa de incidência em estudantes universitários (Dissertação de Mestrado, Universidade Fernando Pessoa, Porto). Acedido em https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/8315/1/PG_Catarina%20Duarte.pdf

Félix, D. (2012). Crenças de legitimação da violência de género e efeitos de campanhas de prevenção: um estudo exploratório (Dissertação de mestrado, Faculdade de Psicologia, Universidade de Lisboa). Acedido em http://repositorio.ul.pt/handle/10451/6891

Ferreira, J. P. (2013). Stalking como forma de violência nas relações de namoro (Dissertação de mestrado, Instituto Superior de Ciências da Saúde Egas Moniz). Acedido em http://comum.rcaap.pt/handle/123456789/6243

Gonçalves, M. A. S. (2013). Namoro na adolescência: Atitudes de legitimação de violência estratégias de resolução de conflitos em adolescentes nos Açores (Dissertação de Mestrado, Universidade dos Açores). Acedido em http://repositorio.uac.pt/bitstream/10400.3/2770/1/DissertMestradoMonicaAndreiaSilvaGoncalves2013.pdf

Korkmaz, S., & Överlien, C. (2020). Responses to youth intimate partner violence: The meaning of youth-specific factors and interconnections with resilience. Journal of Youth Studies, 23(3), 371-387. Doi: 10.1080/13676261.2019.1610557.

Leen, E., Sorbring, E., Mawer, M., Holdsworth, E., Helsing, B., & Bowen, E. (2013). Prevalence, dynamic risk factors and the efficacy of primary interventions for adolescent dating violence: An international review. Aggression and Violent Behavior, 18(1), 159-174. http://dx.doi.org/10.1016/j.avb.2012.11.015

Magalhães, M. J. (Coord.). (2020). Estudo nacional sobre a violência no namoro: 2019. Lisboa: UMAR - União de Mulheres Alternativa e Resposta. Acedido em http://www.umarfeminismos.org/images/stories/noticias/Estudo_Nacional_VN_2019_da_UMAR.pdf

Neves, S., Jamal, S., Peixoto, S., & Borges, J. (2021). Observatório da violência no namoro: Resultados 2020. Acedido em https://www.cig.gov.pt/area-portal-da-violencia/violencia-no-namoro/documentacao/

Taquette, S. R., & Monteiro, D. L. M. (2019). Causes and consequences of adolescent dating violence: a systematic review. Journal of Injury & Violence Research, 11(2), 137-147. https://doi.org/10.5249/jivr.v11i2.1061

Ventura, M., Frederico-Ferreira, M., & Magalhães, M. (2013). Violência nas relações de intimidade: Crenças e atitudes de estudantes do ensino secundário. Revista de Enfermagem Referência, 3(11), 95-103.

World Health Organization. (2016). FAQ on health and sexual diversity: An introduction to key concepts. Geneva: WHO. Acedido em https://www.who.int/gender-equity-rights/news/20170329-health-and-sexual-diversityfaq.pdf

Young, B. J., Furman, W., & Jones, M. C. (2012). Changes in adolescents’ risk factors following peer sexual coercion: Evidence for a feedback loop. Development and psychopathology, 24(2), 559–571. Acedido em https://doi.org/10.1017/S0954579412000168