Da inatividade ao sentimiento de utilidade da pessoa idosa: efeito na redução dos sintomas de ansiedade e depressão

Contenido principal del artículo

Rosa Cândida Carvalho Pereira de Melo
Andreia Sofia Pereira de Melo

Resumen

A inatividade e a falta de reconhecimento social têm consequências negativas, podendo levar a comportamentos de agitação, depressão e complicações causadas pela imobilidade. Neste contexto, torna-se fundamental ocupar a pessoa idosa para que se sinta útil. Este estudo pretende avaliar o efeito da mudança de contexto familiar e do cuidado em Humanitude no sentimento de utilidade da pessoa idosa. Foi realizado um estudo de caso, de cariz exploratório e descritivo, longitudinal (realizado ao longo de 4 anos), numa pessoa idosa (94 aos 98 anos), em contexto domiciliar, antes da mudança do contexto familiar, 2 e 4 anos após esta mudança. Nestes três momentos foram avaliados os seguintes parâmetros: depressão pela Escala de Depressão Geriátrica de Yesavage - versão curta; nível de dependência das Atividades Instrumentais de Vida Diária (AIVD) pela escala de Lawton e Brody; sinais vitais; fármacos consumidos; e comportamentos de agitação psicomotora. Verificou-se efeito positivo da mudança do contexto familiar e da utilização dos procedimentos cuidativos Humanitude na pessoa idosa em estudo, nomeadamente: redução dos sintomas de depressão, de depressão grave (14), para sem depressão (5); melhoria dos níveis de dependência nas AIVD, de dependência total (1), para dependência moderada (5); diminuição dos valores da tensão arterial (TA), de 170/90mmhg, para 100/75mmhg; redução dos fármacos prescritos e consumidos, de 12 fármacos diários para 1 fármaco; observou-se uma redução na frequência e intensidade dos comportamentos de agitação psicomotora (tremores, irritabilidade e labilidade emocional). Verificouse ainda aumento da satisfação na participação nas AIVD. Foi evidenciado que a forma como interagimos com a pessoa idosa pode ter efeitos na sua saúde e no seu comportamento. Assim, a formação dos cuidadores formais e informais é importante para darem intencionalidade na valorização da participação ativa da pessoa idosa em atividades com que se identifique e que lhe restitua o sentimento de utilidade social.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Almeida, L., Azevedo, R. C. de S., Reiners, A. A. O., & Sudré, M. R. S. (2012). Cuidado realizado pelo cuidador familiar ao idoso dependente, em domicílio, no contexto da estratégia de Saúde da Família. Texto & Contexto - Enfermagem, 21(3), 543–548. https://doi.org/10.1590/S0104-07072012000300008

António, M. A. (2017). Humanitude: do conceito antropológico a uma ferramenta de cuidar. In Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E) Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) (Ed.), Higiene e conforto: da tarefa ao cuidar com Humanitude (pp. 83–94).

Araújo, F., Pais Ribeiro, J., A., O., Pinto, C., & Martins, T. (2007). Validação da escala de Lawton e Brody numa amostra de idosos não institucionalizados. In I. Leal, J. Pais-Ribeiro, I. Silva, & S. Marques (Eds.), Actas do 7o congresso nacional de psicologia da saúde (pp. 217–220). ISPA.

Figueiredo, A., Melo, R., & Ribeiro, O. (2018). Humanitude care methodology: difficulties and benefits from its implementation in clinical practice. Revista de Enfermagem Referência, IV Série(17), 53–62. https://doi.org/10.12707/RIV17063

Fuhrmann, N. L. (2013). Luta por reconhecimento: reflexões sobre a teoria de Axel Honneth e as origens dos conflitos sociais. Barbarói, 38, 79–96.

Gineste, Y., & Pellissier, J. (2008). Humanitude, cuidar e compreender a velhice (Instituto). Instituto Piaget, Piaget Editora.

Gomes, M. J., & Mata, A. (2012). A família provedora de cuidados ao idoso dependente. In F. Pereira (Ed.), Teoria e prática da gerontologia: um guia para cuidadores de idosos (1st ed., pp. 163–174). Psico & Soma - Livraria, Editora, Formação e Empresas, Lda.

Henriques, L. V. L., Melo, R. C. C. P. de, & Martins, A. (2021). Metodologia de cuidado Humanitude: contributo para a dignificação da pessoa nos cuidados de higiene. 11(2), 8–15.

Henriques, L. V. L., Melo, R. C. C. P. de, Pereira, M. P. L. de O., Henriques, A., Martins, M. A. N., & Alves, R. E. D. G. (2020). Desafios no cuidar dos idosos: contributo da metodologia de cuidado Humanitude na redução da ansiedade dos cuidadores. In Ciências Humanas: Afeto, Poder e Interações 2 (pp. 236–247). Atena Editora. https://doi.org/10.22533/at.ed.54220081021

Honneth, A. (2006). O Capitalismo Como Forma De Vida Fracassada: Esboço Sobre a Teoria Da Sociedade De Adorno. Revista De Ciências Sociais - Política & Trabalho, 24(0), 9–26.

Jacquard, A. (1987). Cinq milliards d’hommes dans un vaisseau. Seuil.

Luz, M. H. R. A. da, & Miguel, I. (2015). Apoio social e solidão: Reflexos na população idosa em contexto institucional e comunitário. Revista Portuguesa de Investigação Comportamental e Social, 1(2), 3–14. https://doi.org/10.7342/ismt.rpics.2015.1.2.20

Melo, R., Araújo, J. P., Abreu, C. da C., Oliveira, A. S., Fernandes, A. M., & Sá, M. da C. A. de. (2017). Cuidados de higiene e conforto: contributo da metodologia de cuidado humanitude para a dignificação da pessoa cuidada Rosa. In Unidade de Investigação em Ciências da Saúde: Enfermagem (UICISA: E) Escola Superior de Enfermagem de Coimbra (ESEnfC) (Ed.), Higiene e conforto: da tarefa ao cuidar com Humanitude (pp. 107–124).

Melo, R., Costa, P. J., Henriques, L. V. L., Tanaka, L. H., Queirós, P. J. P., & Araújo, J. P. (2019). Humanitude in the humanization of elderly care: experience reports in a health service. Revista Brasileira de Enfermagem, 72(3), 825–829. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2017-0363

Melo, R., & Melo, A. (2020). Humanitude no resgate da dignidade da pessoa idosa: estudo de caso. In R Pocinho et al. (Ed.), O envelhecimento como um todo, livro de atas do Ageingcongress 2020. Thomson Reuters Arazadi.

Ministério da Solidariedade e da Segurança Social. (2013). Portaria n. o 38/2013.

Mlinac, M. E., & Feng, M. C. (2016). Assessment of Activities of Daily Living, Self-Care, and Independence. Archives of Clinical Neuropsychology, 31(6), 506–516. https://doi.org/10.1093/arclin/acw049

Peplau, H. E. (1997). Peplau’s Theory of Interpersonal Relations. Nursing Science Quarterly, 10(4), 162–167. https://doi.org/10.1177/089431849701000407

Pordata. (2019a). Esperança de vida à nascença: total e por sexo (base: triénio a partir de 2001).

Pordata. (2019b). Esperança de vida aos 65 anos: por sexo.

Pordata. (2019c). População Residente: Total e por Grandes Grupos Etários.

Salgueiro, N. (2014). Humanitude: Um imperativo do nosso tempo: Introdução à metodologia de cuidado Gineste-Marescotti (I. Portugal-Humanitude. (ed.); IGM Portug). IGM Portugal-Humanitude.

Sheikh, J. I., & Yesavage, J. A. (1986). Geriatric Depression Scale (GDS): Recent evidence and development of a shorter version. Clinical Gerontologist: The Journal of Aging and Mental Health, 5(1–2), 165–173. https://doi.org/10.1300/J018v05n01_09

Simões, M., Salgueiro, N., & Rodrigues, M. (2012). Cuidar em Humanitude: estudo aplicado em cuidados continuados. Revista de Enfermagem Referência, III Série(6), 81–93. https://doi.org/10.12707/RIII1177

Sousa, L., Figueiredo, D., & Cerqueira, M. (2006). Envelhecer em família: os cuidados familiares na velhice. Ambar.

United Nations. (2019). World Population Ageing 2019 - Highlights.