Vivências de mulheres na menopausa: contributos a compreensão do cuidar em enfermagem

Contenido principal del artículo

Elisa Santos
Emília Coutinho
Cláudia Chaves
Paula Nelas

Resumen

A menopausa é um período da vida da mulher que necessita de toda a atenção dos profissionais de saúde, e particularmente do enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Maternae Obstétrica. O objetivo desteestudo é compreender as vivências da mulher no período da menopausa, o significado atribuído pela mulher às intervenções de enfermagem desenvolvidas pelo enfermeiro Especialista em Enfermagem de Saúde Materna e Obstétrica durante o período da menopausa e pós-menopausa. Foi realizado um estudo qualitativo, com recurso ao método fenomenológico-hermenêutico, tendo como instrumento de recolha de dados a entrevista fenomenológica. As 13 participantes recorreram às consultas de um Hospital de Dia Ginecológico e do Serviço de Ginecologia de um Hospital Central da Região Centro de Portugal. A análise qualitativa de dados foi apoiada pelo Nvivo12. Da análise do verbatim das entrevistas, emergiram cinco categorias: “Significado atribuído à menopausa”, sendo as subcategorias mais destacadas“Experiência positiva”, “Não tersentido alteraçõescom a menopausa”e“Umafase má/desconfortável”;“Alterações sentidas durante a menopausa e pós menopausa”, evidenciando-se mais a subcategoria“Alterações orgânicas”,“nomeadamente as “Ondas de calor”; “Estratégias utilizadas face aos constrangimentos”,onde as subcategorias mais destacadas foram “Procurar ajuda profissional” e “Adotar uma atitude de resiliência”; “Expectativas quanto aos cuidados de enfermagem”, com a subcategoria mais referida “Expetativas corresponderam ao esperado”;“Cuidados de enfermagem recebidos na menopausa”, sobressaindo as subcategorias “Ajuda”,“Esclarecimento de dúvidas” e “Capacitação da mulher para vivenciar a menopausa”. Parte das mulheres encararam a menopausa de forma positiva. Para outras, demarcou-se como uma fase de desconfortos, com alterações das condições vaginais, emocionais, orgânicas e alterações da atividade sexual. As mulheres consideram, sobretudo, que os cuidados de enfermagem corresponderam às suas expetativas, pois houve esclarecimento de dúvidas e foram capacitadas para vivenciar a menopausa de forma positiva e saudável.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Beck, V., Brewis, J., & Davies, A. (2019). Women’s experiences of menopause at work and performance management. Organization. Doi:10.1177/1350508419883386

Bernardes, M. (2014). Transição para a menopausa: das condições aos fatores sensíveis aos cuidados de enfermagem. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Enfermagem de Coimbra. Coimbra. Acedido em http://repositorio.esenfc.pt/?url=I1dXABiQ

Bogdan, R. C., & Biklen, S. K. (2007). Chapter 4: Qualitative Data. Qualitative research for education: An introduction to theories and methods (5th ed.) (pp. 133-142 ONLY). Boston: Allyn and Bacon.

Chae, H.D., Choi, S.Y., Cho, E.J., Cho, Y.M., Lee, S.R., Lee, E.S. et al. (2014). Awareness and experience of menopausal symptom and hormone therapy in korean postmenopausal women. J Menopausal Med.; 20, 7-13. doi: 10.6118/jmm.2014.20.1.7.

Dicionário Etimológico. Menopausa. Origem da palavra menopausa. Acedido em https://www.dicionarioetimologico.com.br/menopausa/

Dillaway, H. (2020). Living in Uncertain Times: Experiences of Menopause and Reproductive Aging (Capítulo 21). C. Bobel et al. (eds.). The Palgrave Handbook of Critical Menstruation Studies (pp. 253-268). https://doi.org/10.1007/978-981-15-0614-7_21

Gass, M.L., Cochrane, B.B., Larson, J.C. et al. (2011). Patterns and predictors of sexual activity among women in the Hormone Therapy trials of the Women’s Health Initiative. Menopause; 18(11), 1160–1171. doi:10.1097/gme.0b013e3182227ebd.Acedido em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/21983008

Gault, A.M. (2015). Health by numbers: Menopause. Quality Health Medical Ctr. Acedido em http://www.qualityhealth.com/menopause-articles/health-numbers-menopause

Hoga, L., Rodolpho, J., Gonçalves, B. & Quirino, B. (2015). Women`s experience of menopause: a systematic review of qualitative evidence. JBI Database of Systematic Reviews and Implementation Reports; Vol. 13(8), 250-337. Doi: 10.11124/jbisrir-2015-1948.

Kaunitz, A. M., & Manson, J. E. (2015). Management of Menopausal Symptoms. Obstetrics and gynecology; 126(4), 859–876. https://doi.org/10.1097/AOG.0000000000001058

Kingsberg, S.A., Wysocki, S., Magnus, L.. et al. (2013). Vulvar and vaginal atrophy in postmenopausal women: findings from the REVIVE (REal Women’s VIews of Treatment Options for Menopausal Vaginal ChangEs) survey. J Sex Med; 10, 1790-1799.

Meleis, A. I., Sawyer, L. M., Im, E. O., Messias, D. K. H. & Shumacher, K. (2000). Experience transitions: An emerging middle-range theory. Advances in Nursing Science; 23 (1), 12-28. Doi: 10.1097/00012272-200009000-00006.

Nappi, R.E., & Kokot-Kierepa, M. (2010). Women’s voices in the menopause: results from an international survey on vaginal atrophy. Maturitas; 67, 233-238. Acedido em https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20828948

Pedras, C.R.N. (2017). Transição para a menopausa: necessidades e expectativas. (Dissertação de Mestrado). Escola Superior de Saúde de Enfermagem de Lisboa. Acedido em https://comum.rcaap.pt/bitstream/10400.26/20974/1/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20C%C3%A9lia%20Pedras.pdf

Probo, A., Soares, N., Silva, V., & Cabral, P. (2016). Níveis dos sintomas climatéricos em mulheres fisicamente ativas e insuficientemente ativas. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde; 21(3), 246–254. https://doi.org/10.12820/rbafs.v.21n3p246-254

Queiróz, A.A., Meireles, M.A., & Cunha, S.R. (2007). Investigar para compreender. Loures: Lusociência, 2007. XI. ISBN 978-972- 8930-38-7.

Samarasiri, D.G.C.N., Rajanayake, I.T., Wattegedara, P.K., Kodituwakku, R.D., Senadheera, A.S.P.L. & Silva, B.S.S. de (2017). Women’s Experiences on Menopause: A Phenomenological Study. OUSL Journal; Vol. 12, 2, 43-62. DOI: http://doi.org/10.4038/ouslj.v12i2.7407

Samarasiri, D.G.C.N., Rajanayake, I.T., Wattegedara, P.K., Kodituwakku, R.D., Senadheera, A.S.P.L. & Silva, B.S.S. de (2017). Women’s Experiences on Menopause: A Phenomenological Study. OUSL Journal; Vol. 12, 2, 43-62. DOI: http://doi.org/10.4038/ouslj.v12i2.7407

Silva, L.D.C., & Mamede, M.V. (2017). Desvelando os sentidos e significados do climatério em mulheres coronarianas. Cienc Cuid Saud; 16(2), 2-8. Doi: 10.4025/cienccuidsaude.v16i2.31719.

The North American Menopause Society. (2014). Clinical Care Recommendations - Chapter 1: Menopause. Acedido em http://www.menopause.org/publications/clinical-care-recommendations/chapter-1- menopause

Vale, E.G., & Pagliuca, L.M.F. (2011) Construção de um conceito de cuidado de enfermagem: Contribuição para o ensino de graduação. Revista Brasileira de Enfermagem; 64, 106-113. http://dx.doi.org/10.1590/S0034-71672011000100016

Van Manen, M. (2017). But is it phenomenology? Qualitative Health Research, 27(6), 775–779. Acedido em https://doi.org/10.1177/1049732317699570

Waheed, K., Khanum, A., Ejaz, S., Butt, A.F., & Randhawa, A. (2016). Quality of Life after Menopause in Pakistani Women. Gynecol Obstet (Sunnyvale); 6, 4, 1-3. DOI; 10.4172/2161-0932.1000367.

Yazdkhasti, M., Simbar, M., & Abdi, F. (2015). Empowerment and Coping Strategies in Menopause Women: A Review. Iran Red Crescent Med J.; 17(3): e18944, 2-5. Doi: 10.5812/ircmj.18944