Intervir através da educação física na coeducação realidade ou intenção?

Contenido principal del artículo

Isabel Cabrita Condessa

Resumen

Intervir de forma consciente e organizada em prol da promoção da igualdade de oportunidades na escola tem sido, nas últimas décadas, um dos propósitos da Educação Física (EF) na Europa. Através das rotinas e das oportunidades que se proporcionam, rapazes e raparigas têm acesso a uma prática de atividade física e desportiva (AFD) que lhes possibilita aperfeiçoar capacidades, competências e atitudes. O contributo da EF na educação é de um valor significativo, viabilizando às crianças e jovens construir a sua imagem corporal e os estereótipos de género, desenvolver afectos e emoções, cultivar a sua relação com os outros, criar capacidades e valores, ajudando deste modo a uma formação das atitudes individuais ou coletivas, que respeitem a igualdade de género e os direitos humanos. Este estudo foi realizado a partir da informação recolhida, através da aplicação de um questionário, a uma amostra de 993 crianças (57.5% raparigas, 42.5% rapazes) com idades compreendidas entre os 10 e 12 anos, pertencentes a várias escolas do ensino público. Ambicionou comparar as perceções e preferências de rapazes e raparigas relativamente às práticas AFD que decorrem na disciplina de EF, para se poderem apresentar alternativas de práticas mais flexíveis e integradoras. Os nossos resultados permitem-nos concluir que a AFD na escola continua a ser muito marcada por práticas de técnicas de movimento, jogos e competições desportivas, vivências muito identificadas com os estereótipos masculinos e que nem sempre ajudam à formação de um bom esquema corporal e de comportamentos, tendendo a manter ao longo da vida, para muita(o)s jovens. Sugerimos que as atividades oferecidas às crianças e jovens nas escolas sejam mais diversificadas e inclusivas, impondo um nível de desempenho e de satisfação mais adequado a cada caso em particular, devendo estar mais centradas quer em atividades de ar livre, quer em práticas que desenvolvem também as dimensões sensitiva, expressiva e corporal do(a)s aluno(a)s.

 

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos
Biografía del autor/a

Isabel Cabrita Condessa, University of the Azores

Departamento de Educação, Professora

Citas

Anastácio, Z. & Carvalho, G. (2006). Saúde na Adolescência: Satisfação com Imagem Corporal e Auto-estima. In B. Pereira & G. Carvalho (Eds). Actividade Física, Saúde e Lazer: A Infância e Estilos de Vida Saudáveis (pp. 49-61). Lisboa: Lidel.

Anastácio, Z. (2013). Saúde e Desenvolvimento Adolescente: Relação entre tomada de decisão, comportamento sexual, autoestima e imagem corporal. In P. Silva, S. Souza & I. Neto (Org.). O Desenvolvimento Humano: perspetivas para o século XXI. Atividade Física e saúde, inclusão Social e Formação Profissional, Vol. 2, 149-159. São Luís do Maranhão: EDUFMA.

Cale,L. (1997). An Assessment of the Physical Activity Levels of Adolescent Girls – Implications for Physical Education. EJPE, 2 (2), 46-54.

Céspedes, A. (2014). Educar as Emoções. Lisboa: Editorial Presença.

Condessa, C. (2003). A Atividade Física nas Escolas e as Preferências das Raparigas. Em II Congresso Internacional da Associação Portuguesa a Mulher e o Desporto - Mulheres e Desporto. Porto: FCDEF-UP.

Condessa, I. (2015). (En)volver para (Co)educar na Atividade Física Curricular. In Z. Anastácio & C. Silva (Org.). Livro de Atas do Congresso de Educação Sexual em Meio Escolar e Meio Institucional (pp:225-239). Braga: CIEC-IE/UMinho.

Cunha, M.J. (2004). A Imagem Corporal. Um Abordagem sociológica à importância do corpo e da magreza para as adolescentes. Azeitão: autonomia 27.

Fernández-Balboa, J.M. (1997). Critical Postmodernism in Human Movement, Physical Education, and Sport. New York: State University of New York Press.

Gomes, P.B, Silva, P. & Queirós, P. (2000). Equidade na Educação. Educação Física e Desporto na Escola. Lisboa: Ed. Associação Portuguesa a Mulher e o Desporto.

Hall, M. (1996). Feminism and Sporting Bodies. Essays on Theory and Practice. Champaign: Human Kinectics.

Lima, F.M. & Dinis, N.F. (2007). Corpo e Gênero nas Práticas Escolares de Educação Física, In Currículo sem Fronteiras, 7(1), 243-252. Consultado em Fevereiro, 17, 2016, em http://www.curriculosemfronteiras.org/vol7iss1articles/limadinis.pdf.

Martins, D., Nunes, M. & Noronha, A. (2008) Satisfação com a imagem corporal e autoconceito em adolescentes, Psicologia: Teoria e Prática,10(2),94-105. Consultado em abril, 2015, em http://www.mackenzie.br/fileadmin/Editora/Revista_Psicologia/Teoria_e_Pratica_Volume_10_numero_2/Psicologia_10_2-ok.artigo7.pd.

Melo de Carvalho, A. (2010). Para um Desporto Verdadeiramente Educativo. Revista Gymnasium. Ano 3, Jan/Jun., 13-33.

Neto, A. & Col. (2000). Estereótipos de Género (2ª edição). Lisboa: Comissão para a Igualdade e para os Direitos da Mulher.

Pacheco, C. & Condessa, I. (2012). A Educação Física no Ensino Secundário: Compreender as Atitudes para Pensar a Mudança: um Estudo de Caso. In I. Condessa, B. Pereira, G.Carvalho (Org). Atividade Física, Saúde e Lazer: Educar e Formar (pp.147-158). Braga: Ed. CIEC-IE, Universidade do Minho/ FCT.

Robin, J.F. (2005). Transposition didactique: le rôle des leaders en gymnastique scolaire. In C. Amade-Escot (Org.). Didactique de l´Education Physique (pp.27-48). Paris : Revue EPS.

Silva, P. (2007). A Construção/ Estruturação do Género na Educação Física. Porto: FD/UP

Simões, A. (2003). A Mulher em Busca dos seus Limites no Esporte Moderno. In A. C. Simões (Org.). Mulher & Sports. Mitos e Verdades. (1-34) São Paulo: Edições Manolo.