Avaliação da qualidade de vida na população portuguesa

Contenido principal del artículo

Marilene Andrade Lopes
Jéssica Andreia Roças Parente
Manuel Alberto Morais Brás
Maria Fátima Pereira Geraldes
Eugénia Maria Garcia Jorge Anes

Resumen

Nas últimas décadas a avaliação da qualidade de vida das populações tem sido constante, quer em termos gerais, quer em populações específicas, muitas vezes utilizadas para avaliar o impacto das intervenções de saúde. O seu conceito podeser diverso mediante o contexto ou a diferente perceção dossujeitos. A Organização Mundial de Saúde entende-a como a perceção que um indivíduo tem sobre a sua posição na vida, no seu contexto, atendendo aos seus objetivos, expetativas, padrões e preocupações. A saúde e a qualidade de vida são dois conceitos com uma relação incontestável, uma vez que “a saúde contribui para melhorar a qualidade de vida dos indivíduos e esta é determinante essencial para que os indivíduos ou a comunidade tenham saúde. Assim pretendemos avaliar a qualidade de vida nos indivíduos com idade igual ou superior a 18 anos. Para tal, optámos por realizar um estudo descritivo de cariz transversal com uma abordagem quantitativa. Foi usada uma metodologia denominada bola de neve ou snowball sampling, sendo uma técnica de amostragem não probabilística. Foi utilizado um questionário constituído por questões de caraterização e pelo SF-36v2 (The Medical Outcomes Study 36-item Short Form Health Survey). Este é um questionário genérico de saúde, com 36 itens que avaliam a dimensão física, emocional e social, assim como os desempenhos físico e emocional, a dor e a saúde geral e vitalidade. A colheita de dados foie efetuada em 2020. Foram tidos em conta os preceitos éticos aplicados a este tipo de estudos, tendo em conta a Declaração de Helsínquia e Convenção de Oviedo. A amostra é constituída por 135 indivíduos, maioritariamente do sexo feminino (68,15%), com idades compreendidas entre os 18 e os 63 anos. São maioritariamente solteiros (60,74%), licenciados (50,37%), residentes em zona urbana (70,37%). Relativamente ao estado de saúde, percecionam-na boa e excelente (48,88%), comparativamente a um ano atrás 45,93% percecionam-na semelhante. Em termos físicos, sentem quase sempre vitalidade 37,5% dos questionados e algumas vezes 27,94%. Em termos psicológicos e emocionais 43,38% sentem tranquilidade e calma a maior parte do tempo e 23,53 sentem algum tempo. Mais de 50% não sentem qualquer limitação nas atividades quer física quer psicológica ou emocional. Sentem-se tão saudáveis ou mais como os outros 62,24%. Estes resultados permitem-nos concluir que em geral os participantes apresentam bons índices de qualidade de vida relacionada. Resultados semelhantes foram encontrados no que respeita à saúde física e saúde emocional. O tamanho da amostra pode ser considerado como limite desta investigação. Estas avaliações permitem a identificação dos determinantes da saúde e facilitam aos a tomada de decisão.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Barofsky, I. (21 de Abril de 2012). Can quality or quality-of-life be defined? Quality of life research, pp. 625-631.

Farquhar, M. (1995). Definitions of quality of life: a taxonomy. Journal of Advanced Nursing, 502-508.

Ferrans, C. E. (2005). Definitions and conceptual models of quality of life. . Cambridge: cambridge university

Ferreira, P. (2000). Criação da Versão Portuguesa do MOS SF-36, Parte I – Adaptação Cultural e Linguística. Revista Acta Médica Portuguesa, 55-66.60

Fleck, M., Leal, O., Louzada, S., Xavier, M., Chachamovich, E., Vieira, G., Santos, L., Pinzon, V. (1999). Desenvolvimento da versão em português do instrumento de avaliação de qualidade de vida da OMS (WHO QOL-100). Rer Bras Psiquiatr, 21 (1)

Fleck, M. P. (2000). O instrumento de avaliação de qualidade de vida da Organização Mundial de Saúde (WHO QOL-100) . Ciência e Saúde Colectiva, pp. 33-38.

Fleck, M. P. (2000). Aplicação da versão em português do instrumento abreviado deavaliação da qualidade de vida “WHOQOL-bref”. Revista de Saúde Pública, 178-183.

Guyatt, G. F. (1993). Measuring health-related quality of life. Annals of Internal Medicine. pp. 622–629.

Melo, P. (2020). Enfermagem de Saúde Comunitária e de Saúde Pública (1ª ed.). Lisboa: Lidel.

Minayo, M.C.S.; Hartz, Z.M.A.; Buss, P.M. Qualidade de vida e saúde: um debate necessário. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v.5, n.1, p.7-18, 2000

Monahan, S. N. (2009). Phips Enfermagem Médico-Cirúrgica. Lusodidacta.61

Nunes, R. &. Rego (2002). Prioridades na Saúde (2ª ed.). Lisboa: Editora McGraw-hill.

OE. (2011). Padrões de Qualidade dos Cuidados de Enfermagem: Enquadramento conceptual; Enunciados descritivos. 1-11. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros.

Pereira, Teixeira & Santos (2012). Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte, São Paulo, v.26, n.2, p.241-50

Ribeiro, J. L. (1994). Análise Psicológica. A importância da qualidade de vida para a Psicologia da Saúde, pp. 79-191.

Ribeiro, J. L. (2005). Introdução à Psicologia da Saúde. Coimbra: Editora Quarteto. Ribeiro, J. L. (2009). A importância da qualidade de vida para a Psicologia da Saúde. Alcochete: Textiverso.

Sampaio, A, C, L. (2007). Benefícios da caminhada na qualidade de vida dos adultos. Dissertação de licenciatura apresentada na Faculdade de Desporto da Universidade do Porto.

Seidl, E. M. (2004). Cadernos de Saúde Pública. Cadernos de Saúde Púbica, 580– 588.

Sieber, W. J. (2008). Quality of well being – Self-Administered (QWB-SA) Scale, User s Manual. San Diego: University of California.

Silva, I. P.-R. (21 de 2 de 2003). Qualidade de vida e complicações crónicas da diabetes. Análise Psicológica,, pp. 185-194.

Testa MA, Simonson DC. Assessment of quality of life outcomes. New Eng J Med 1996;334:835-40

Turato, E. (2003). Tratado da metodologia da pesquisa clínico-qualitativa: construção teórico-epistemológica, discussão comparada e aplicação nas áreas da saúde e humanas. Petrópolis: Vozes