Inclusão de crianças com NEE no ensino regular: análise numa perspetiva de trabalho colaborativo entre o docente de educação especial e o docente do ensino regular

Contenido principal del artículo

M. Fátima Martins Simões Paulo
J. Inmaculada Sánchez Casado

Resumen

Atualmente, a Educação, que se pretende inclusiva, debate-se com a necessidade de ampliar a atuação pedagógica, num modelo de trabalho que se ambiciona dinâmico,cooperativo ecolaborativo, num processo educativo que se quer de todos, para todos. Um crescente número de alunos identificados com necessidades educativas especiais recebem a sua educação, ou pelo menos parte dela, em salas de aula de educação regular fazendo com que haja uma necessidade cada vez maior que os docentes do ensino regular estejam preparados para irem ao encontro dos interesses e necessidades de todos os alunos, visando o seu sucesso educativo e social.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Cómo citar
Martins Simões Paulo, M. F., & Sánchez Casado, J. I. (2022). Inclusão de crianças com NEE no ensino regular: análise numa perspetiva de trabalho colaborativo entre o docente de educação especial e o docente do ensino regular. Revista INFAD De Psicología. International Journal of Developmental and Educational Psychology., 3(2), 203–208. https://doi.org/10.17060/ijodaep.2021.n2.v3.2287
Sección
Artículos

Citas

Avramidis,E.e,Norwich,B, (2002). Teachers’ attitudes towards integration/inclusion: a review of the literature. European Journal of Special Needs Education, 17,129-147

Bandura, A. (1993). Perceived self-efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, 28, 117-148

Bautista, R. (1997). Educação especial e reforma educativa. Uma escola para todos: A integração escolar. In R. Bautista (Org.), Necessidades Educativas Especiais. Lisboa: Dinalivro. ISBN: 9789725761168.

Boavida, A. M., e Ponte, J. P. (2002). Investigação colaborativa: potencialidades e problemas. In GTI (Org.), Reflectir e investigar sobre a prática profissional. Lisboa: APM. ISBN: 9789728768010.

Correia, L.M. (2013), Educação Inclusiva ou Integração decriançascom Necessidades Educativas Especiais? Um estudo numa sala de aula de Jardim de Infância, Porto: Porto Editora,

Correia, L.M. (2010). Educação Especial e Inclusão. Porto: Porto Editora.

Correia, L. M. (2005). Inclusão e necessidades educativas especiais: Um guia para educadores e professores. Porto: Porto Editora. ISBN: 9789720014023.

Correia, L. M. (2000). Alunos com Necessidades Educativas Especiais nas Classes Regulares. Porto: Porto Editora.

Formosinho.J. (2009), Formação de Professores. Aprendizagem profissional e a ação docente.Porto. Porto Editora Lei Nº 46/86, de 14 de Outubro – Diário da República -Lei de Bases do Sistema Educativo

Lima, J. A. (2002). As culturas colaborativas nas escolas. Estruturas, processos e conteúdos. Porto: Porto Editora.

Pintassilgo, J. (2010),A formação inicial de professores em Portugal: reflexões em torno do atual modelo, Revista Contemporânea de Educação

Roldão, M. C. (2007).“Colaborar é preciso – Questões de qualidade e eficácia no trabalho dos professores.” Noesis Lisboa: Ministério da Educação – DGIDC.

Silva, A. (2011). As características da articulação desenvolvida pelos professores do ensino regular como os de educação especial (estudo em Portugal e Espanha). Tese de Mestrado em Ciências de Educação.

Valverde,I.G. (2006), O Direito à Educação Inclusiva e a sua relação com o Estado, o capital e a Sociedade (entraves à efetivação da Inclusão Escolar), Porto