"É tão difícil alguém vestir nossos chinelinhos": relatos de mães de crianças com TEA

Contenido principal del artículo

Ana Caroline Bonato da Cruz
Maria de Fátima Joaquim Minetto
Lidia Natalia Dobrianskyj Weber
Lurdes Fabricio de Oliveira
Cassandra Fontoura Fiore Peron

Resumen

Envolver famílias de crianças com deficiência no tratamento é uma mudança iniciada na década de 60 que se consolida cada vez mais. Pais e mães de crianças com Transtorno do Espectro Autista (TEA) fazem parte deste grupo que pode se beneficiar de tais intervenções. O objetivo desta pesquisa é identificar potencialidades e fragilidades da função parental a partir do relato de mães. A coleta de dados foi realizada com a aplicação do Programa de Qualidade na Interação Familiar – Especial que contou com dez participantes, todas mães de crianças com diagnóstico de TEA. Os encontros foram gravados e os áudios analisados a partir de semelhanças semânticas das falas das mães. Foram elencados três eixos temáticos: ser mãe de uma criança com autismo, meu filho autista e redes de apoio. As características do TEA repercutem em sobrecarga na função materna e na opção por práticas educativas parentais inadequadas. Limitações e sugestões para estudos futuros são discutidas.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Sección
Artículos

Citas

Associação Americana de Psiquiatria. (2014). DSM-5.

Bosa, C. A. (2006). Autismo: intervenções psicoeducacionais. Revista Brasileira de Psiquiatria, 28(Supl I), S47- S53. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462006000500007

Cappellaro-Kobren, R., Correa, W. & Minetto, M. F. (2017). Um olhar para a criança com deficiência sob a perspectiva da complexidade. In: E. Guérios, F. H. R. Piske, A. M. Soek, & E. J. Silva (Org.). Complexidade e educação: diálogos epistemológicos transformadores. (Cap. 10). Curitiba: CRV.

Center for Disease Control and Prevention – CDC. (2019). Recuperado em 09 de janeiro de 2019, de https://www.cdc.gov/ncbddd/autism/data.html.

Cruz, A. C. B., Minetto, M. F. & Weber, L. N. D. (2019). Adaptação do Programa de Qualidade na Interação Familiar para famílias com filhos com Transtorno do Espectro Autista. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 2(1), 399-408. http://www.infad.eu/RevistaINFAD/OJS/index.php/IJODAEP/article/view/1473

Coutinho, M. T. B. (2004). Apoio à família e formação parental. Análise Psicológica, 1(22), 55-64. Disponível em:

http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-82312004000100006

Correa, W., Minetto, F. & Crepaldi, M. A. (2018). Família como promotora do desenvolvimento de crianças que apresentam atrasos. Pensando Famílias, 22(1), 44-58. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-494X2018000100005

Darling, N. &Steinberg, L. (1993). Parenting Style as a context: an integrative model. Psychological Bulletin, 113(3), 487-496. doi: http://dx.doi.org/10.1037/0033-2909.113.3.487

Franco, V. (2015). Introdução a intervenção precoce no desenvolvimento da criança: com a família, na comunidade, em equipe. Évora: Edições Aloendro.

Franco, V. (2016). Tornar-se pai/mãe de uma criança com transtornos graves do desenvolvimento. Educar em Revista, 59, 35-48. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.44689

Gomes, P. T. M., Lima, L. H. L., Bueno, M. K. G., Araújo, L. A, & Souza, N. M. (2017). Autism in Brazil: a systematic review of Family challenges e coping strategies. Jornal de Pediatra, 91(2), 111-121. doi: http://dx.doi.org/10.1016/j.jped.2014.08.009

Kaufman, R. K. (2016). Vencer o Autismo. Lisboa: Papa-Letras.

Lozano-Segura, M. C., Manzano-Léon, A., Yanicelli, C. C. & Aguilera-Ruiz, C. (2017). Propuesta de intervención em familiares de niños com TEA desde ACT para mejorar la convivência familiar e escolar. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1(4), 455-464. Retirado de: http://www.infad.eu/RevistaINFAD/OJS/index.php/IJODAEP/article/view/897/778

Macarini, S. M., Martins, G. F., Minetto, M. F. J. & Vieira, M. L. (2010). Práticas parentais: uma revisão de literatura. Arquivos brasileiros de psicologia, 62(1), 119-134. Retirado de: Machado, M. S., Londero, A. D. & Pereira, C. R. R. (2018). Tornar-se família de uma criança com Transtorno do Espectro Autista. Contextos Clínicos, 11(3), 335-350. doi: 10.4013/ctc.2018.113.05

Magaña, S., Lopez, K. & Machalicek, W. (2017). Parents Taking Action: A Psycho-Educational Intervention for Latino Parents of Children with Autism Spectrum Disorder. Family Process, 56, 59-74. doi:10.1111/famp.12169

Meimes, A. M., Saldanha, H. C. & Bosa, C. A. (2015). Adaptação Materna ao Transtorno do Espectro Autismo: relações entre crenças, sentimentos e fatores psicossociais. Psico, 46(4), 412-422. doi: http://dx.doi.org/10.15448/1980-8623.2015.4.18480

Minatel, M. M. & Matsukura, T. S. (2014). Famílias decriançaseadolescentescom autismo:cotidiano erealidade em diferentes etapas do desenvolvimento. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, 25(2), 126-134. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v25i2p126-34

Minetto, M. F. & Löhr, S. S. (2016). Crenças e práticas educativas de mães de crianças com desenvolvimento atípico. Educar em Revista, 59, 49-64. doi: http://dx.doi.org/10.1590/0104-4060.44791

Minetto, M. F. & Cruz, A. C. B. (2018). Práticas Educativas Parentais: autonomia e expressão de afeto. International Journal of Developmental and Educational Psychology, 1(1), 155-164. http://dx.doi.org/10.17060/ijodaep.2018.n1.v1.1181

Moxotó, G. F. A. & Malagris, L. E. N. (2015). Avaliação do treino de controle do stress para mãos de crianças com transtorno do espectro autista. Psicologia: Reflexão e Crítica, 28(4), 772-779. doi: 10.1590/1678-7153.201528415

Pardo, M. L. P. & Carvalho, M. M. S. B. (2012). Grupos de orientação de pais: estratégias para intervenção. Contextos Clínicos, 5(2), 80-87. doi: https://dx.doi.org/10.4013/ctc.2012.52.02

Sampieri, H. E., Collado, F. C., & Lucio. B. P. M. (2013). Metodologia de pesquisa. Porto Alegre: Penso.

Schmidt, C. (2002). Estresse, autoeficácia e o contexto de adaptação familiar de mães de portadores de Transtornos Globais do Desenvolvimento. Tese de Mestrado. Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Schmidt, C. (2017). Transtorno do Espectro Autista: onde estamos e para onde vamos. Psicologia em Estudo, 22 (2), 221-230. doi:10.4025/psicolestud.v22i2.34651

Semensato, M. R., Schmidt, C. & Bosa, C. A. (2010). Grupo de familiares de pessoas com autismo: relatos de experiências parentais. Aletheia, 32, 183-194. Recuperado em: http://www.periodicos.ulbra.br/index.php/aletheia/article/view/3532/2624

Sifuentes, M. & Bosa, C. A. (2010). Criando pré-escolares com autismo: características e desafios da coparentalidade. Psicologia em Estudo, 15(3), 477-485. Recuperado em: http://www.scielo.br/pdf/pe/v15n3/v15n3a05.pdf

Smeha,L. N. & Cezar, P. K. (2011). A vivência da maternidade de mães de crianças com autismo. Psicologia em Estudo, 16(1), 43-50. Recuperado de https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=287122137006

Weber, L. N. D., Salvador, A. P. V. & Bradenburg, O. J. (2018). Programa de Qualidade na Interação Familiar: Manual Para Facilitadores [3ª ed.]. Curitiba: Juruá.

Zand, D. H., Bultas, M. W., McMilliam, S. E., White, T., McNamara, D. & Pierce, K. J. (2017). A pilot of a brief positive parenting program on children newly diagnosed with autism spectrum disorder. Family Process, 57(4), 901-914. doi: 10.1111/famp.12334.